Qualquer um sabe que digitar no celular enquanto se está no controle de um meio de transporte é um risco enorme e, portanto, algo que você não deveria fazer. Especialmente quando esse “meio de transporte” é um avião comercial. Aparentemente um piloto não seguiu à risca o conselho e quase matou algumas centenas de pessoas por isso.

Chegando a Singapura, o voo JQ57 da Jetstar teve que abortar a aterrissagem a medonhos 120 metros do chão quando o piloto, entretido com seu celular, esqueceu de baixar o trem de pouso. O piloto! No controle de um avião com 220 passageiros!

Isso soa como o caso de dois idiotas que não deveriam estar operando uma aeronave cheia de seres humanos vivos e respirando. Que quase deixaram de estar vivos e respirando. O celular do piloto começou a apitar com alertas de mensagens quando o avião atingiu a altura de ~700 metros. O co-piloto percebeu que o capitão estava “preocupado”. Seu superior informou que ele estava tentando destravar o celular para desligá-lo. O que seria perfeitamente ok se ele, com suas 13 mil horas de voo, tivesse se lembrado dos procedimentos padrões como ativar o trem de pouso.

A 300 metros do chão, o primeiro oficial verificou os instrumentos e sentiu como se estivesse faltando algo, embora não soubesse dizer o que era apesar das suas 4 mil horas de experiência no ar. A 220 metros, um aviso sonoro na cabine alertou os pilotos de que as rodas não haviam sido baixadas. A 200 metros, o capitão tentou acionar a engrenagem, mas àquela altura outro alerta sonoro informou que o avião estava abaixo dos 150 metros, muito próximo do chão para acionar e realizar efetivamente o pouso em segurança.

O co-piloto disse aos investigadores que nesse momento ele estava pronto para colocar o avião de volta no ar a fim de evitar uma catástrofe. A uma perigosa e mínima distância de 120 metros, segundo o próprio disse. Resta saber, agora, se algum dia a Jetstar terá outros clientes voando em seus aviões. [The Age via The Next Web. Foto: MC_PP/Shutterstock]