Zach Umperovitch liderou uma equipe de 13 pessoas com uma missão: construir a maior máquina de Rube Goldberg do mundo para o concurso anual da Universidade de Purdue. Eles foram lá e fizeram uma engenhoca que enche e estoura uma bexiga em 300 passos. Não levaram a medalha de ouro, mas entraram no Guinness.

Máquinas de Rube Goldberg são engenhocas que contam com muitos, mas muitos passos mesmo para atingiram um objetivo quase sempre bobo, como colar um selo ou encher uma bexiga. Elas têm esse nome em homenagem ao cartunista homônimo, conhecido por desenhar esse tipo de maquinário, que está presente em alguns desenhos clássicos como Papa Léguas e Tom & Jerry.

Máquina de guardanapo automático.

O trabalho de Zach e seu time foi monstruoso. Eles gastaram 5 mil horas, e como todo mundo ainda está na faculdade, esse tempão foi distribuído em noites mal dormidas e fins de semana. A máquina de Rube Goldberg deles realiza 300 passos para encher e estourar uma bexiga, a tarefa pedida no regulamento da edição 2012 do concurso. Como essa é a 25ª edição dele e o time estava empenhado em fazer algo realmente memorável, eles cumpriram, nessa mega-máquina, os objetivos de todas as edições já realizadas do concurso. Um feito para a humanidade, diz aí.

A parte triste é que todo esse empenho não foi suficiente para garantir o ouro para os caras. Eles ficaram em segundo lugar, perdendo para esta outra máquina aqui, mas levaram o prêmio na votação popular. A derrota não os abalou: empolgada com a façanha, a equipe já trabalha em uma versão maior, com 198 m³, para um novo concurso — neste último, havia uma limitação no tamanho da geringonça, de até 5,66 m³. Força, galera!

Para ver um timelapse de 33 minutos (melhor que 5 mil horas, né?) da nova maior máquina de Rube Goldberg do mundo, clique aqui. [Wired]