Já faz um tempo que não ouvimos notícias do Chrome OS, sistema operacional do Google para netbooks e tablets. Um boato dizia que ele seria lançado hoje, o que obviamente não vai acontecer; a informação oficial do Google é que ele virá até o final do ano. Mas talvez o novo sistema chegue mês que vem apenas à fase beta, enquanto dispositivos com Chrome OS virão ao mercado apenas em 2011.

Mary Jo Foley, do ZDNet, conversou com funcionários do Google, que prometeram uma versão do Chrome OS ainda para este ano para testes "em diversos formatos novos" – isto poderia significar tablets e netbooks voltados especificamente para o Chrome OS. E Eric Schmidt, CEO do Google, disse ao Techcrunch que o Chrome OS estaria disponível ainda este ano, mas que o lançamento do sistema iria acontecer "em alguns meses".

E, pelo que disse ao Engadget o executivo Jim Wong, da Acer, ele só deve chegar mesmo ao mercado ano que vem: a Acer vai lançar um Chromebook – netbook com Chrome OS – durante o "lançamento para consumidores" do OS do Google, no ano que vem. Parece que o Google também vai lançar um netbook com marca Google, aparentemente voltado para desenvolvedores e early adopters – assim como o Nexus One no início do ano. Segundo o nem sempre confiável Digitimes, 75.000 unidades do netbook by Google estão sendo produzidas por uma fabricante em Taiwan.

Mas será que um lançamento de netbook ainda é relevante? Os netbooks perderam os holofotes para os tablets este ano, devido ao iPad. O Chrome OS poderia ser usado em tablets, mas o próprio Eric Schmidt, do Google, admite que "o Chrome OS foi pensado para teclados, enquanto o Android foi pensado para o toque". E com a versão Gingerbread, o Android estará mais preparado para tablets. Só que o Chrome OS traz outro grande elemento, uma aposta do Google – e da Microsoft e da Apple – para o futuro: computação em nuvem. Então o sistema ainda tem, sim, sua relevância.

Ou seja: os Chromebooks só devem chegar ano que vem, mas o Chrome OS beta deve estar aí ainda este ano, e ainda vale a pena esperar por ele. Estaremos no aguardo. [ZDNet via TechCrunch via Engadget]