O Messenger, da NASA, encontrou fortes indícios de água congelada em Mercúrio. Mas como pode haver gelo em um inferno como Mercúrio, o planeta mais próximo do Sol, fervendo a 400º C?

A resposta é um negócio chamado armadilhas congeladas, áreas na superfície de Mercúrio que estão constantemente geladas devido à posição do planeta em relação ao Sol. Essa posição cria algumas crateras que ficam em sombras permanentes, onde a temperatura tem estado baixa o bastante para reter a água congelada que havia originalmente no planeta. As partes amarelas da imagem acima mostram perfeitamente essas tais áreas de sombra eterna.

A descoberta, que está sendo publicada pela Science, foi feita por um time de cientistas do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins. Eles sobrepuseram dados da superfície de Mercúrio obtidos pelo Observatório Arecibo em 2011 (os quais indicavam a presença de água, para a surpresa e descrença dos cientistas) com informações precisas da topografia conseguidas pelo Sistema de Imagens Duplas de Mercúrio (MDIS, na sigla original) do Messenger. O resultado é o que você vê aqui, um indicativo bastante forte de que provavelmente existe água até em Mercúrio.

A má notícia: não podemos mais dizer “quando o inferno congelar”. E ficamos na torcida para que nenhum porco com asas apareça. [Messenger]