Cientistas observaram, pela primeira vez, que a poeira estelar contém água. Isto pode ser mais um indício de que a vida como a conhecemos existe em outras partes do universo.

Para essa descoberta, John Bradley – do Laboratório Nacional Lawrence Livermore (EUA) – olhou bem de perto a camada externa de partículas de poeira estelar, encontradas na estratosfera da Terra. Elas são compostas por minerais que saíram de estrelas e se condensaram.

Com microscopia de alta resolução, Bradley descobriu pequenos bolsões de água nos já minúsculos grãos de poeira, e cada um deles tinha menos de 25 micrômetros – metade da largura de um cabelo humano. A New Scientist explica como a água se forma:

A poeira é composta principalmente de silicatos, que contêm oxigênio. À medida que viaja através do espaço, ela encontra o vento solar. Esta corrente de partículas carregadas, incluindo íons de hidrogênio de alta energia, é ejetada da atmosfera do Sol. Quando os dois se chocam, hidrogênio e oxigênio se combinam para formar a água.

A reação química criada pelos ventos já era uma hipótese de cientistas, mas esta é a primeira vez que alguém realmente encontrou H2O presa dentro da poeira estelar.

Junte a nova descoberta ao fato de que há muitos componentes orgânicos na poeira interplanetária: como aponta a New Scientist, a poeira estelar contém todos os ingredientes básicos necessários para vida semelhante à do nosso planeta.

Acredita-se que grãos semelhantes de poeira estelar existam em sistemas solares de todo o universo, então a descoberta é um bom indício de que há vida em outros lugares. Em outras palavras, quase certamente não estamos sozinhos. [PNAS via New Scientist]

Imagem por GSFC