Alan Turing, pai da ciência da computação e destruidor de códigos nazistas finalmente recebeu perdão, 61 anos depois de ter sido condenado simplesmente por ser quem ele era.

59 anos se passaram desde o suicídio de Turing, que se matou comendo uma maçã recheada com cianureto após ter sido condenado por atentado violento ao pudor e escolhido a castração química como alternativa à prisão. Em 2009, o então Primeiro-ministro Gordon Brown se desculpou por tudo o que aconteceu, mas o perdão não foi mencionado. Agora o Perdão Real aconteceu, embora o atual Primeiro-ministro, David Cameron, o tenha negado no ano passado. Aparentemente ele mudou de ideia e disse o seguinte em um comunicado:

As ações de Turing salvaram inúmeras vidas. Ele também deixou um legado marcante através de suas substanciais realizações científicas, sendo muitas vezes referido como o “pai da computação moderna”.

Tudo isso é verdade. Mas não dá pra deixar de pensar em como as coisas teriam sido melhores pra todo mundo (especialmente para Turing) se tudo tivesse sido levado com mais civilidade. Também não dá pra esquecer que o fato do perdão ter demorado mais de meio século é um absurdo. Mas antes tarde do que nunca, embora nesse caso o perdão tenha acontecido vergonhosamente tarde.

[The New York Times]