Como se eu já não pudesse odiar ainda mais a empresa que me fornece internet, pesquisadores na conferência SuperComputing 2011 atingiram um novo recorde, transferindo dados a uma taxa combinada de 186 Gbps, 67Gbps mais rápido que o recorde anterior de 2009. E o Brasil estava lá para ajudar.

Para colocar 186Gbps em perspectiva, isto é rápido o bastante para transferir 2.000.000 gigabytes por dia, ou 100.000 discos Blu-ray. A equipe por trás do recorde foi liderada pela Caltech (California Institute of Technology), mas também inclui físicos, cientistas da computação e engenheiros de outras universidades americanas e canadenses, além do CERN – o instituto europeu que cuida do Grande Colisor de Hádrons.

E o Brasil? Como explica a Caltech, eles contaram com os esforços de parceiros nos EUA, Coreia e Brasil – a UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) e a USP (Universidade de São Paulo) – que “juntaram forças para transferências massivas de dados colaborativas e eficazes durante a conferência SuperComputing 2011″. Isso fez parte do experimento DYNES, maior que o projeto para chegar ao recorde de velocidade.

O novo recorde foi atingido usando uma rede de 100Gbps configurada por um instituto canadense entre dois pontos a cerca de 120km de distância. A taxa combinada de 186Gbps consiste em 98Gbps enviados em uma direção e 88Gbps na outra – ao mesmo tempo, claro! – quebrando o recorde anterior de 119Gbps, alcançado em 2009 pela mesma equipe.

Claro que o feito deixaria a mídia impressionada e ajudaria a divulgar os institutos envolvidos. Mas o recorde tem um fim prático: ele foi patrocinado em parte pelo CERN, que está procurando por formas mais eficientes de distribuir os petabytes de dados gerados pelo Grande Colisor de Hádrons (LHC). Os dados ficam disponíveis para serem analisados por pesquisadores ao redor do mundo, e eles esperam que o volume de dados aumente em mil vezes nos próximos anos, quando o LHC estiver funcionando em força total. [Caltech via ExtremeTech]