A Anatel está mesmo determinada a baratear ligações de celular para outras operadoras: a agência aprovou medida que reduz a taxa de interconexão, e espera que as tarifas de celular caiam com isso. Mas deve demorar um pouco.

O regulamento da Anatel estipula que a taxa, cobrada quando você liga para outra operadora, caia dos R$0,42 atuais para R$0,33 em 2013. Ela continua caindo ao longos dos anos, e será substituída em 2016 por um novo modelo de custos. Ela valerá para Claro, Oi, TIM e Vivo.

Além disso, a taxa deve despencar em até 80% para ligações entre as grandes operadoras e celulares da Nextel, Sercomtel e CTBC. Esta medida, que começa a valer no ano que vem, beneficia operadoras menores.

A Anatel quer baixar a tarifa para acabar com o “efeito clube”: muitos preferem entrar na operadora que os amigos e familiares usam porque sai mais barato, em vez de ir para a operadora com o melhor serviço. Sem o efeito clube, a concorrência deve aumentar – e as tarifas devem cair.

A medida, apesar de bem-vinda, parece tímida: segundo a Folha, a taxa de interconexão chega a R$0,10 nos EUA e R$0,07 na Europa.

Por que a Anatel não fez uma redução mais agressiva? Provavelmente porque as operadoras ganham muito com essa taxa no Brasil: de acordo com a Teleco, em 2011 elas arrecadaram R$20 bilhões com a VU-M. Marcelo Bechara, conselheiro da Anatel, diz à Folha que “nós propusemos uma escada [para os preços] até 2015 para que não haja uma queda brusca”.

A tarifa VU-M foi criada na época das privatizações, como estímulo para as operadoras crescerem. Agora, elas querem manter a tarifa porque a maioria de seus clientes são pré-pago e realizam poucas ligações: com a VU-M, elas podem ganhar recebendo chamadas.

As novas regras para a taxa de interconexão começam a valer em 2013. [Folha e Estadão; valeu, Fabrício!]

Foto por Danilo Urbina/Flickr