A Apple já reconhece que o iPhone 4 tem problemas de recepção de sinal. A solução deles: segure-o de outro jeito ou compre um case. Mas se o problema do aparelho está no design da Apple, eles deveriam consertar o problema de vez ou dar cases de graça.

Nós descobrimos evidências que provam que o problema da antena do iPhone 4 é causada por uma questão interna já comum à Apple, um caso que atinge mais do que o iPhone 4, mas também o iPad e possivelmente todos os produtos futuros da Apple.

Uma fonte dentro da equipe de engenharia da Apple nos contou que o tipo de problema de recepção do iPhone 4 é um sintoma de uma controvérsia interna que já ocorre faz algum tempo – contratos extremamente inflexíveis quando o assunto é o design industrial dos produtos durante seu desenvolvimento. Jon Ive e sua equipe de designers industriais podem criar aparelhos “um pouco complicados às vezes”, eles dizem, criando e insistindo em modelos que, apesar de serem esteticamente impecáveis, criam uma enorme dificuldade para a equipe de engenharia quando o assunto é implementação e manutenção de funcionalidade em alto nível.

Agora, a Apple está enfrentando reações públicas como consequência às suas escolhas de desgin.

É um problema bem real

Depois das várias reclamações que a imprensa recebeu de usuários, com muitos vídeos provando o problema, nós fizemos uma enquete informal. Os resultados: 40% dos donos de iPhones 4 responderam que tiveram a mesma adversidade nos primeiros dias de uso. Outros sites informam porcentagens parecidas. O site inglês de comparativos Righmobilephone fez uma enquete com 836 usuários do iPhone 4, com 93% deles afetados pelo problema (a teoria para explicar o número menor nos EUA é de que os usuários tradicionalmente culpam a AT&T pelos problemas). Ainda sobre a pesquisa, 63% estão “realmente nervosos” com a resposta de Steve Jobs, que sugere que os usuários “evitem segurar o telefone dessa forma” para evitar a perda de sinal.

O número de reclamações de usuários é sem precedentes. Em nosso cotidiano aqui no Gizmodo, nós notamos o problema várias vezes, nos fazendo esquecer outros momentos de ótima experiência com o aparelho. Alguns de nós não viu o problema de cara, mas depois de alguns dias, todos nós notamos. Nesse momento, parece que a questão não é mais se as pessoas estão tendo ou não o problema, e sim como elas estão lidando com isso.

Os argumentos e soluções da Apple

A Apple alega que o sinal de qualquer celular cai quando você toca a antena. Isso é verdade. Mas a diferença é que o resto dos telefones não têm a antena ao redor de seu hardware, fazendo o usuário tocá-la toda hora.

Esse é o motivo para a sugestão de Steve Jobs de segurá-lo em outra posição não ser uma boa ideia. Os usuários deveriam poder segurar o iPhone de um jeito natural, seja lá como eles queiram. Caso contrário, é um caso claro de design industrial ruim, porque vai contra a expressão própria do usuário. É um caso em que a forma não anda lado a lado com a funcionalidade. Se o caso aqui fosse de um problema que surge quando você segura o aparelho em posições estranhas e incomuns, a situação seria outra. Mas o problema é provocado pelo jeito que usuários destros geralmente seguram seu iPhone: em sua mão esquerda, tocando a tela com a outra mão. Em outras palavras, o jeito mais comum que os usuários seguram o iPhone para usá-lo como um smartphone. Segurá-lo de outro jeito não é muito natural, e em algumas situações práticas, sem sentido algum.

A outra solução da Apple é dizer para as pessoas comprarem um case. Eles agora vendem um. O “bumper”, ou “para-choque” – salvo algum problema de fabricação – é a única solução real da Apple para seu problema de design.

A solução real

Se a Apple não consertar seu erro no design ou oferecer uma forma de arrumar qualquer problema técnico, então eles deveriam dar seus bumpers gratuitamente para cada usuário do iPhone 4. Se eles dizem que cases solucionam um problema causado por eles mesmos, então faz muito sentido que eles deem cases de graça. Fim de papo.

Os bumpers iriam contra o lindo design do iPhone, um de seus pontos decisivos em vendas, mas pelo menos o sinal não cairia mais. Ele pode até ajudar a previnir outro problema de design: o iPhone 4 é mais frágil do que seus antecessores em razão do uso de vidro na parte traseira. Além disso, ele também quebra mais facilmente após choques por causa da tensão interna do novo material de vidro, que para completar é oleofóbico, tornando-o ainda mais escorregadio.

Todo produto lançado tem seus bugs. Nós já vimos isso várias vezes. Vários problemas, como as telas amareladas, sumirão com o tempo, quando a fabricação do aparelho tiver um ajuste fino para resolver os problemas. Mas a questão da antena é fundamental, uma falha de design, que não sumirá tão facilmente se o aparelho não for modificado de forma drástica.

Se fosse um celular qualquer, isso tanto faria. Mas o iPhone 4 é talvez o melhor telefone da atualidade graças ao seu software e seus aplicativos, sua belíssima tela, e sua câmera. Alguns até dizem que a recepção do aparelho é melhor do que os modelos antigos quando a antena não está sendo tocada. Então, com todas essas coisas boas, é terrível que os compradores tenham esse ótimo aparelho estragado por um único, mas sério, problema de design. E é pior ainda saber que a Apple sugere que os usuários utilizem o aparelho de uma forma não natural ou gastem mais 30 dólares – por algo que é essencialmente uma junção de duas pulseirinhas livestrong – para consertá-lo.

Assinando a petição

Esses são os motivos para todos nós pedirmos para a Apple resolver, pelo menos parcialmente, o problema do celular, oferecendo gratuitamente seu case para cada um dos usuários do iPhone 4 que já existem. Juntos, nós podemos fazer a Apple arrumar o problema, seja lá qual for a solução, em vez de ficar fugindo da questão.

Então, está tudo em suas mãos. Se você concorda com essa petição, por favor, assine seu nome nos comentários do Gizmodo americano. Clique aqui para acessar.

Espalhe o artigo pelo Twitter, Facebook, seu blog ou e-mail. Você também pode se juntar ao grupo da petição do Facebook por aqui: