Ele é conhecido como o “perseguidor mortal”, um predador aracnídeo de dez centímetros capaz de atacar com sua cauda a velocidades alcançando 130 centímetros por segundo. Filmagens usando câmeras de alta velocidade mostram como essa espécie e outros escorpiões usam suas caudas mortais para afastar predadores e capturar suas presas.

• Formas complexas de vida podem ter surgido na Terra muito antes do que pensávamos
• A quantidade de comida que as aranhas comem por ano vai te assombrar

Um time de pesquisadores liderado pelo biólogo evolucionista Arie van der Meijden, da Universidade do Porto, em Portugal, usou filmagens de alta velocidade para analisar os ataques de sete espécies diferentes de escorpião. De todos os escorpiões estudados, o “perseguidor mortal” ganhou o prêmio em termos de eficiência, com o ataque mais rápido de todos.

Para filmar os escorpiões em ação, os cientistas construíram uma pequena plataforma rodeada de espelhos por todos os lados. Depois de colocar o escorpião no ringue e atiçar sua cauda com um fino arame, os cientistas conseguiram filmar os ataques de cima, usando uma câmera de 500 quadros por segundo. Ao rastrear os movimentos dos escorpiões de diversos pontos de vista, a trajetória do ataque pode ser reconstruída em 3D.

Armados dos vídeos em câmera lenta, os pesquisadores puderam traçar trajetória, velocidade e aceleração dos diversos ataques dos escorpiões e como esses fatores se relacionam ao formato do escorpião em si. Como os pesquisadores descreveram em seu estudo, que aparece na publicação científica Functional Ecology, cada espécie de escorpião tem um ataque defensivo distinto. Cada uma delas é única no formato da trajetória, velocidade, alcance e tempo entre os ataques. Posto isso, os escorpiões tendem a utilizar um de dois modos de ataque: abertos e fechados. Desses, os ataques abertos foram os mais rápidos e precisos.

lkq3tclokk40i7yhe9si

As sete espécies diferentes de escorpião analisadas no novo estudo. (Imagem: Arie van der Meijden)

Ataques abertos são efetivos, já que eles atravessam uma porção maior de espaço, aumentando as chances de o escorpião acertar ou penetrar um alvo. Em geral, ataques abertos foram os mais rápidos, resultando em maior força da cauda. Ataques fechados, por sua vez, são mais curtos, mas com essa técnica os escorpiões conseguem rapidamente retrair seus ferrões para a posição de ataque e se prepararem para um próximo golpe.

Ao observar os vídeos em câmera lenta, os pesquisadores notaram como o “perseguidor mortal” lançou seu ferrão por cima de sua cabeça, levando-o diretamente para baixo até o alvo desejado antes de voltar para a posição de ataque. Esse escorpião de 8,6 centímetros vive em regiões áridas do norte da África e do Oriente Médio. Seu veneno é muito perigoso – e potencialmente letal para crianças.

Em outros testes, o escorpião imperador, o maior do mundo, mostrou um ataque aberto similar. Mas outros escorpiões, como o escorpião negro e vários outros membros da família hottentotta de escorpiões, atacaram com um movimento mais circular, formando um “O” no ar. Quando comparado com um escorpião de cauda fina, o de cauda larga era mais rápido. Da mesma forma, escorpiões com caudas similares não tinham ataques muito diferentes.

De olho no futuro da pesquisa, os cientistas esperam entender por que escorpiões usam diferentes estratégias de ataque. Pode se relacionar com os tipos de predadores dos quais eles precisam se defender, ou com o fato de que alguns escorpiões dependem mais de seus ferrões para afastar ameaças. Escorpiões tipicamente usam suas caudas venenosas para afastar morcegos, cobras, lagartos e outros predadores, mas o ferrão também pode ser usado para capturar presas.

[Functional Ecology via AFP]