Não é novidade para cientistas que existem bactérias que se alimentam de elétrons, mas pesquisadores conseguiram pela primeira vez cultivar organismos que só precisam de eletricidade para sobreviver.

Em um estudo publicado na The New Scientist, biólogos explicam que conseguiram manter as bactérias Mariprofundus ferroxydans PV-1 vivas em um laboratório apenas ao aplicar uma carga elétrica a elas, sem a necessidade de nenhum outro tipo de nutriente.

A Mariprofundus ferroxydans PV-1 não é a única bactéria com essas propriedades – são ao menos oito espécies que conseguem comer elétrons. E essas bactérias elétricas têm algumas características bem interessantes, como formar redes com cerca de uma polegada de comprimento que usam oxigênio do mar para conseguir energia. Essas redes também conseguem conduzir eletricidade como fios de cobre tradicionais.

Os biólogos entendem que essas bactérias podem ter algumas apicações práticas, como na produção de dispositivos de combate à poluição, mas sua maior contribuição para a ciência pode ser outra: com elas, os biólogos podem enfim descobrir qual é a menor quantidade possível de energia exigida para sobrevivência de um organismo. [The New Scientist via Engadget]