Não é um exagero dizer que, 25 anos atrás, um desenho animado sobre o Batman mudou as fronteiras do que era considerado possível ao levar um herói de história em quadrinhos para outra mídia.

• Por que tantos super-heróis negros têm poderes de eletricidade
• Por que o disfarce do Super-Homem talvez realmente funcione

Um quarto de século atrás, Batman: A Série Animada fez sua estreia nas telas de TV em todo o mundo. Lembro de assistir ao episódio piloto “Asas de couro” com um grupo de amigos quando o programa estreou — e de como fiquei chocado com o que estava vendo. Imediatamente, Batman: A Série Animada fez eu me sentir como os quadrinhos que eu lia há décadas. A coreografia peso-pena de programas mais antigos, como Super Amigos, passava muito longe do que eu estava assistindo ali. O drama e a ação tinham peso; vimos Batman, seus aliados e seus vilões ficarem feridos física e emocionalmente.

Batman: A Série Animada contou com as complexidades psicológicas e a amplitude tonal que os criadores tinham imbuído em Bruce Wayne e seu alter ego desde sua estréia em 1939. A existência de riscos e consequências preenchiam cada título de episódio, interpretação de voz, quadro de animação e trilha musical. Dando ao show uma paleta mais ampla e emocional do que qualquer coisa que o havia precedido. Mesmo os dois filmes de Tim Burton que saíram antes do programa não chegaram a sondar as potencialidades da tragédia e triunfo da mesma forma que a série animada. Abaixo, está uma lista de alguns dos meus episódios favoritos e alguns pensamentos sobre como eles mostraram o que havia de melhor na série.

***

“Coração de Gelo”

Foi nesse episódio que vi o quanto a animação poderia fazer pela mitologia do Batman.


Batman The Animated Series Episode 14 – Heart… por HalobiumGMS

Um vilão que era uma piada de terceira ordem nos quadrinhos se tornou uma figura gótica que rivalizava com o personagem principal do programa, um homem que tinha sofrido uma perda devastadora pela qual ele não foi responsável. Toda vez que Victor Fries apareceu depois de sua estreia na série, ele parecia alguém por quem o público podia sentir simpatia, mesmo sabendo que não devia.

“O ajuste de contas de Robin”

Como um grande fã da simples ideia da presença do Robin, eu realmente gostei de como a série mostrava a parceria entre Dick Grayson e Bruce Wayne.


Batman The Animated Series Episode 32 – Robin’s… por HalobiumGMS

Robin fez uma piada, e Batman grunhiu em resposta, ambos de uma forma que mostrava familiaridade e carinho. E, apesar de eu já estar familiarizado com a história de origem do garoto prodígio, ver a corda desgastada do trapézio dos Graysons Voadores na tela foi mais doloroso do que na primeira vez. Quando Batman faz o apelo para Robin ceder a seus impulsos mais escuros, ele mostra que os criadores da série poderiam tornar a difícil história de um companheiro mais novo parecer valer a pena, e eu sabia que um dos meus personagens preferidos estava em boas mãos.

“Duas Caras”

Como em “ Coração de Gelo” anteriormente, o capítulo de duas partes da origem de Harvey Dent apresentou como Batman: A Série Animada se baseou em uma variedade de influências para realizar suas versões da mitologia do Batman dos personagens antigos.


Batman The Animated Series Episode 10 – Two… por HalobiumGMS

Esses episódios canalizaram o melodrama de cineastas como Douglas Sirk e o terror de filmes de monstros antigos da Universal. Quando Harvey se torna o Duas Caras, é o clímax da batalha de um homem contra o seu próprio eu, uma luta que se apresenta crua para o mundo inteiro ver de maneira repulsiva.

“Quase o Peguei”

A maior conquista da clássica série animada foi o fato dela ter encontrado, com sucesso, uma maneira de fazer comédia em Gotham City sem transformar seu personagem principal em uma piada.


Batman The Animated Series 46. Almost Got ‘im por dmdm1526

Esse episódio de mini antologia, centrado nas histórias de “quase acerto” dos inimigos do Cavaleiro das Trevas, nunca pareceu menos dramática do que os outros episódios. A ironia da existência de todos esses personagens é trabalhada até o ponto do próprio Batman parecer uma piada. Ao final do episódio, a Mulher Gato se pergunta se ela e Batman poderiam ter uma longa vida longe de todo o caos de criminosa e justiceiro. Quando ela se vira, o Cavaleiro das Trevas já está indo embora na noite. Ela não consegue pegá-lo, assim como os outros vilões, porque ele não quer ser pego.

***

Nenhum personagem parecia sem profundidade em Batman: A Série Animada. Crocodilo pode ser o alvo de uma piada em “Quase o Peguei”, mas sua dor era palpável quando ele mostrou seu lado frágil em “Show a Parte”. Mesmo um vilão principal como o Coringa consegue apresentar novas facetas, como é visto em sua relação disfuncional com Harley Quinn. E graças a Eric Radomski, Bruce Timm, Paul Dini, Andrea Romano e seus comparsas criativos, Bruce foi apresentado mostrando desejos, dúvida e camaradagem, de uma forma que parecia nova para uma versão mais popular do Batman.

O programa foi um abridor de trilhas, em que as possibilidades narrativas pareciam profundas e ricas, um efeito em cascata que encorajou os outros filmes de super-herói e programas de TV que vieram depois. O ator Kevin Conroy, que fazia a voz de Batman, ressoou: “Eu sou a noite. Eu sou a vingança. Eu sou Batman” no episódio “Nada a Temer”. Batman: A Série Animada foi desses marcos na televisão que fazem você acreditar que ele era essa coisa toda, sim, e que poderia ser muito mais.

Todas as imagens: Warner Bros.