Estes bispos aparentemente emitiram uma sugestão geral contra toda tecnologia, inclusive iPods, Facebook, televisão, mensagens de texto e Twitter. Apesar de eu entender o impulso pelo banimento do último, os bispos disseram que eles esperavam que um banimento das mensagens de texto poderia vir a “chamar a atenção para o conflito no Congo, que é alimentado pela luta pelo controle de minas que fornecem minérios usados para a fabricação de celulares”. Isso até que é razoável, ao mesmo tempo em que é totalmente irracional, já que ninguém faria esta ligação a menos que seus telefones tivessem gravados na frente “FEITO COM O SANGUE DOS MINEIROS CONGOLESES”.

O Papa, aparentemente, ainda está por aí pelo YouTube, o que mais ou menos tira o propósito das palavras dos bispos. Alguém aí vai abrir mão de qualquer tipo de tecnologia para a quaresma? E, se não for, posso sugerir o Twitter? [LA Times]