Esses dois conceitos de duas turbinas podem voar tanto com ou sem piloto, e eles definitivamente têm alguma semelhança com aquele bombardeiro invisível (stealth) famoso. 

Eles irão substituir o F/A-18E/F, que entraram em serviço em 1999, o que os fazem aeronaves relativamente novas. Mas demora tanto tempo para projetar, testar e produzir esses aviões, sem falar nas burocracias e licitações do governo para autorizar as compras, que eles acabam tendo que se preparar por bons 15 anos antes de essas belezinhas de fato entrarem em serviço.

Minha única preocupação é que parece não haver muito espaço para carga. E se eu quiser levar um lanchinho? De volta à prancheta, Boeing. [Flight GlobalThanks, Jason!]