O trabalho humano em fábricas e centros de distribuição está se extinguindo. E o último indício de que ele está prestes a acabar de vez talvez seja esse braço robótico de uma empresa chamada RightHand Robotics que consegue aprender como pegar objetos que ele nunca viu antes e também ensinar a outras máquinas como lidar com cada um deles.

• Os robôs do futuro talvez sejam controlados por meio de campos magnéticos
• O fundador da Amazon está muito animado com seu traje gigante de robô

Um dos maiores desafios na automação de um centro de distribuição, como aqueles que são operados pela Amazon ao redor do mundo, é a variedade enorme de produtos que um braço robótico precisa conseguir manusear. Os robôs nas fábricas geralmente são construídos para lidar com uma única parte ou ferramenta, mas as máquinas que coletam produtos precisam saber mexer com diferentes objetos, de diferentes tamanhos e formatos. E ensinar manualmente um robô a operar cada situação o torna pouco eficiente de um ponto de vista econômico.

braco-robotico0

Para assegurar que o novo sistema RightPick consegue se adaptar continuamente aos produtos que surgem na esteira, a RightHand Robotics desenvolveu uma garra com diversos “dedos”, uma ferramenta de sucção no meio e uma câmera capaz de analisar os materiais e determinar a melhor estratégia de pegar e segurar qualquer objeto. As imagens da câmera são processadas instantaneamente por um algoritmo desenvolvido pela própria companhia que diz à garra qual combinação de dedos ela deve usar, e se ativar a ferramenta de sucção é necessário. O sistema também pode tirar vantagem de técnicas de aprendizado de máquina para refinar e consertar automaticamente o algoritmo quando encontra produtos com formatos desconhecidos.

As novas habilidades aprendidas pelo sistema também podem ser aplicadas em outros locais que utilizam o mesmo equipamento, já que o braço robótico permanece conectado a um servidor o tempo todo, compartilhando o conhecimento e aprimorando as capacidades de toda a rede. Essa conectividade também permite que os engenheiros e desenvolvedores de software da empresa se conectem remotamente a um dos braços, caso o equipamento tenha encontrado alguma dificuldade em se adaptar a uma tarefa específica e precisa de novas instruções.

Por enquanto, a RightHand Robotics ainda está testando e aperfeiçoando seu sistema RightPick. Mas o benefício real da criação é que ela não precisa ser perfeita para ser implantada em algum centro de distribuição. A maioria das pessoas já exagerou nas habilidades do currículo para conseguir uma vaga e então aprendeu as habilidades exigidas enquanto estavam trabalhando. É a mesma coisa que esse sistema consegue fazer, o que o torna mais valioso para as empresas com o tempo.

[RightHand Robotics via MIT Technology Review]