Você achou que assistir O Hobbit em 48 fps foi estranho? Esta câmera da Heriot Watt University (Reino Unido) captura vídeo a 15 bilhões de quadros por segundo, tão rápido que você consegue ver fótons individuais se movendo. Com ela, é possível reconstruir o formato de objetos com base apenas na luz que eles dispersam.

A câmera da Heriot Watt, desenvolvida por uma equipe liderada por Jonathan Leach, é composta por uma matriz 32 x 32 de pixels sensíveis a fótons individuais. Ou seja, ela pode detectar um único fóton de forma 10 vezes mais sensível que o olho humano.

Lasers parecem ser feixes contínuos e uniformes em circunstâncias normais, quando você os observa com meros olhos humanos. Mas essa câmera, que possui um tempo de exposição efetivo de apenas 67 picossegundos, funciona tão rápido que vê lasers como comboios de fótons se movendo pelo espaço.

A câmera usa um laser pulsante para detectar e identificar objetos fora de seu campo de visão. Quando o feixe de laser atinge um objeto escondido, alguns dos fótons se dispersam e, às vezes, retornam ao mesmo caminho que tomaram para chegar lá. A câmera mede o tempo que o laser demora para viajar até o objeto, e o tempo que cada fóton leva até retornar à matriz do sensor.

Com isso, a câmera pode então reconstruir o que está sendo refratado, de acordo com a sua assinatura fotônica individual. Carros, copos de café e gatos, por exemplo, têm assinaturas específicas e únicas.

Esta tecnologia, ainda restrita ao laboratório, pode um dia abrir uma nova classe de dispositivos de imagem. Eles poderiam ser usados ​​para reconhecimento militar, busca e salvamento, ou mesmo serem integradas em dispositivos de segurança nos carros. [Royal Society via Motherboard]