Colisões galáticas são eventos relativamente comuns no universo, mas toda vez que um aglomerado de galáxias colide com outro é formada uma fantástica explosão celestial. E esta nova foto tirada pelo telescópio Hubble só confirma isso. Os resultados podem ser bem dramáticos.

O aglomerado de galáxias MACS J0416 parece uma coisa só, mas consiste na junção de dois clusters que estão se fundindo. Ela fica localizada na constelação de Eridanus, localizada há uns 4,3 bilhões anos-luz, e coletivamente ostenta uma massa 420 vezes maior que a da Via Láctea.

aglomerado-galaxias-2

Crédito da imagem: NASA, ESA, CXC, NRAO/AUI/NSF, STScI, and G. Ogrean (Stanford University), Reconhecimento: NASA, ESA e J. Lotz (STScI), e o HFF team

Na imagem, parecem que os dois aglomerados já estão juntos, porém evidências sugerem que isso ainda não aconteceu. Vestígios de matéria escura ainda estão alinhados com o gás quente de tonalidade azul. Se eles já tivessem colidido, a matéria escura e o gás estariam separados. Além disso, o aglomerado de galáxias MAC J0416 contém um núcleo compacto de gás quente, que poderia ter sido obstruído caso a colisão fosse completada.

Curiosamente, o peso deste objeto é forte o suficiente para curvar a luz, criando um efeito conhecido como lente gravitacional. Esta peculiaridade cosmológica permite que astrônomos analisem o objeto e tenham um vislumbre de galáxias existentes a centenas de milhões de anos-luz após o Big Bang.

[NASA]