A GoPro é uma câmera de ação fantástica que permite que pessoas gravem esportes radicais, feitos audaciosos, entre outros espetáculos. Há alguns anos isso seria impossível. Mas hoje não só é possível como ela se tornou a câmera mais vendida do mundo, segundo a NPD Group e dados internos de venda da própria empresa.

Este perfil fala um pouco sobre todo o processo de criação da GoPro. Anderson Cooper, do 60 Minutes, entrevistou o criador da câmera, Nick Woodman. Ele iniciou a empresa há 12 anos, mas antes já tinha alguma experiência no mundo do empreendedorismo – uma empresa de jogos online fracassada.

Woodman, que também era surfista, pensou como seria bacana se surfistas pudessem gravar as imagens das aventuras no mar – como ele mesmo explicou, tirar fotos enquanto surfa para “parecer profissional”, e daí ele tirou o nome da câmera, GoPro (algo como “virar profissional). Até então, quem quisesse imagens de surf precisaria de mais um ser humano com alguma habilidade com câmeras. Com a GoPro, no entanto, isso não seria mais necessário.

O primeiro modelo da câmera era presa ao pulso e também era à prova d’água. Para colocar sua ideia em ação, Woodman pegou dinheiro emprestado da sua família e começou assim a GoPro. Mas ele só entendeu o potencial da câmera quando sentou em um cockpit de carro de corrida e percebeu que as pessoas estavam muito interessadas nesse tipo de imagens. Hoje, 12 anos depois, a empresa é gigante e as câmeras são vendidas em mais de 100 países.

O marketing da GoPro é a própria GoPro – ou melhor, seus usuários. Vídeos enviados para o YouTube mostrando o potencial da câmera são a principal forma da empresa promover seu produto. Vídeos de paraquedistas, surfistas e até mesmo um bombeiro salvando um gato filmados com GoPro são usados para mostrar todo o potencial das câmeras – e, considerando que ela é a mais vendida no mundo atualmente, vem dando muito certo.

A GoPro tem receita atualmente de mais de US$ 500 milhões e patrocina nomes dos esportes radicais como o surfista Kelly Slater. Toda essa história serve para nos lembrar uma coisa: nunca subestime o potencial de uma ferramenta simples e barata. Você pode conferir a reportagem completa do 60 Minutes abaixo – ela está em inglês: [CBS]