Se seus esforços para localizar parentes perdidos há muito tempo e músicos obscuros (ou qualquer outra pessoa que você está procurando na web) param no momento em que você joga seus nomes no Google, você veio ao lugar certo. Veja como se empenhar seriamente em procurar pessoas online, incluindo alguns conselhos dos profissionais que fazem isso para sobreviver. E se você preferir não ser encontrado, leia para entender exatamente como os profissionais acham aqueles que prefeririam ficar escondidos.

• Um guia básico para novo padrão USB 3.2 e o que ele mudará no seu dia a dia
• O modo privado do seu navegador não é bom de guardar segredo

Uma nota rápida antes de começarmos: muitas pessoas neste mundo querem ser deixadas em paz, e você deve respeitar isso – essas dicas não se destinam a ajudá-lo a perseguir um ex ou algum parente que tenha deixado bem claro que eles nunca querem vê-lo novamente.

Depois de uma rápida pesquisa no Google, não conseguiu encontrar aquela velha tia com quem você não fala há dez anos? “Exceto em cenários raros, em que uma pessoa fez um esforço diligente para se esconder, todos deixam uma trilha que identifica muitas informações pessoais”, disse o especialista em segurança Michael Bazzell ao Gizmodo. “Facebook e Twitter são as primeiras paradas. Esses são bastante globais e revelam mais detalhes pessoais.”

Procurando em redes sociais

O Google ainda é o melhor primeiro passo ao buscar redes sociais. O clássico truque de colocar “john smith site: facebook.com” no Google pode, em alguns casos, funcionar melhor do que a busca interna do próprio Facebook, especialmente se você também puder adicionar uma localização à cadeia de pesquisa.

Já que estamos falando do Google, aqui está outro truque: se sua busca normal não revelar nada digno de nota, mude para a aba Imagens – você pode ter mais sorte (supondo que você saiba com o que a pessoa que está tentando encontrar se parece).

Seja criativo com o Google (Imagem: Captura de tela)

O Facebook, o Twitter e o LinkedIn valem a pena cavar, e, em cada caso, há pequenos ajustes que você pode fazer em suas pesquisas. Por exemplo, na página de resultados de pesquisa do Facebook, use os filtros à esquerda para restringir os resultados com base no local e na hora – mesmo que a pessoa que você procura não tenha postado recentemente, você pode descobrir algumas de suas postagens mais antigas.

O Twitter tem um filtro de pessoas em sua pesquisa, como o Facebook, assim como uma página de pesquisa avançada. Portanto, você pode simplesmente lançar um nome para começar a testar. Se não conseguir encontrar alguém por meio do método normal, tente restringir os resultados por data ou por local. Você pode até procurar por tweets em uma determinada conta, o que pode ser útil se você estiver procurando por alguém que adora a @ladygaga.

Quando você terminar de testar nomes, você tem outras opções – números de telefone e endereços de email. “As opções mais valiosas para minhas investigações têm sido a conversão de números de telefone celular e endereços de email em perfis de redes sociais”, diz Bazzell. “Muitas pessoas usarão várias modificações em seu nome real para se esconder um pouco, mas ainda usam seu email ou número de telefone real.”

No Facebook e no Twitter, você pode impedir que alguém o encontre por meio de seu endereço de email ou número de telefone registrado, mas muitas pessoas não se preocupam: tente digitar o número de celular de um amigo na caixa de pesquisa do Facebook e veja se essa pessoa aparece.

O site da Intel Techniques Imagem: Captura de tela

O site da Intel Techniques, de Bazzell, possui uma série de ferramentas gratuitas que você pode usar para navegar pelos dados do Facebook, Twitter, LinkedIn, Instagram e outros lugares. Você pode, por exemplo, procurar pessoas que trabalharam em um determinado local ou estudaram em uma determinada escola, obter contas do Facebook ligadas a uma conta do Twitter e pesquisar contas do Twitter com vários amigos em comum, por meio de registros que estão disponíveis publicamente.

Você também pode executar pesquisas com base em endereços de email e números de telefone, como já mencionamos, pesquisar documentos públicos no Google Drive e Scribd e obter detalhes de contato de um nome de domínio, se eles foram registrados publicamente. A moral da história é, você pode procurar muito mais do que um nome.

Encontrando amigos de um amigo

Se você não está chegando em lugar nenhum com suas buscas iniciais, você precisa pensar um pouco fora da caixa. Como mostramos com o chefe do FBI, as contas de parentes e amigos podem levá-lo diretamente à pessoa que deseja, mesmo que essa pessoa esteja bem escondida – a rede de tags, gostos e retweets é muito profunda no Instagram e no Twitter, lugares onde a maioria dos conteúdos é público.

“As pessoas estão conectadas e conectadas e conectadas de muitas maneiras diferentes”, explicou Darin Giglio, investigador-chefe da North American Investigations, ao Gizmodo. “É difícil encontrar alguém que não tenha uma dessas contas. Essas cadeias de conexões podem ser rastreadas com tempo, paciência e algum conhecimento.”

Sou eu quem você está procurando? (Imagem: Captura de tela)

Digamos que você queira encontrar a sua tia postiça, mas eles se casaram novamente ou mudaram de nome. Então, comece com seus primos (se você puder encontrá-los) e confira seus gostos, quem seguem e seu seguidores, assim como as outras contas às quais eles estão marcando e respondendo. Se nós pudemos encontrar James Comey no espaço de quatro horas, talvez você possa encontrar a sua Tia Sônia.

Se você pode se conectar com um indivíduo que está de alguma forma vinculado à pessoa que você está procurando, muitas redes sociais criarão imediatamente uma lista de outros contatos recomendados, o que pode levá-lo mais perto de quem você estiver procurando, ou pelo menos dar pistas sobre como localizá-los.

“Mesmo que você não tenha uma conta, as chances são da sua família ou amigos terem”, diz Giglio. “Mesmo que seja possível excluir conteúdo de perfis online ou cancelar uma conta, os dados já estão compartilhados e podem ser salvos por outros usuários ou pela entidade ou serviço acessado.”

Se a trilha do Google estiver morta, experimente alternativas como o Bing e o DuckDuckGo e, em seguida, experimente os motores de busca que vão mais fundo: o WebCrawler, o DogPile e o Monster Crawler são três exemplos para testar. E, é claro, você tem o WayBack Machine, que pode exibir páginas que já foram removidas da internet.

Pipl pode buscar várias redes (Imagem: Captura de tela)

O Pipl é outro recomendado pelos nossos especialistas e vai além dos resultados que você receberá do mecanismo de pesquisa padrão, além de adicionar filtros úteis para localização e idade. Só não leve sempre tudo o que você vê tão a sério: a informação pode ser “imprecisa, incompleta ou desatualizada”, diz Giglio, então execute várias verificações, se puder.

Todas as extensões do navegador projetadas para facilitar fazer um networking, mostrando informações de contato que muitas vezes são ocultas, também podem ser usadas para extrair para informações. Exemplos como Prophet, ContactOut e Discoverly podem ajudar a transformar um pouco de informação em muito mais: tente instalar qualquer uma dessas extensões de navegador e veja a diferença que faz ao pesquisar pessoas no Facebook, Twitter, LinkedIn e em outros lugares.

Outros aplicativos, sites e registros online

Mesmo quando você esgotou os sites de redes sociais e os sites de busca mais conhecidos, você ainda tem muitas outras opções para explorar – pense em todos os outros lugares em que as pessoas se inscrevem e todos os aplicativos que assinam que não colocam seus dados publicamente na web. “Vá além do Google”, diz Bazzell. “As redes sociais são um excelente começo, mas apenas uma peça do quebra-cabeça.”

Tanto Bazzell quanto Giglio apontam para aplicativos e sites de namoro como formas úteis de rastrear alguém online. É claro que esses aplicativos não permitem pesquisar pelo nome, mas você pode olhar em torno da localização e do gênero.

Aplicativos de namoro podem soltar uma pista (Imagem: Captura de tela)

“Mesmo os sites de namoro, como o OKCupid e o Plenty of Fish, podem manter sua informação privada arquivada indefinidamente”, diz Giglio. “Mesmo quando você apaga seus perfis online e exclui contas, ainda pode haver registros, bem como informações arquivadas antigas que as pessoas podem ir lá e ainda descobrir.”

Imagens de perfil e nomes de usuários (ou variações sobre eles) são muitas vezes reutilizados em vários sites, o que significa que, se você conseguir um pouco de informação, ela geralmente pode levar a outros lugares. Usando pesquisas de imagem reversa, não é muito difícil encontrar se uma imagem de perfil particular tenha sido usada em algum outro lugar na web. Muitos perfis de aplicativos de namoro também terão contas de redes sociais.

Pense em fóruns e comunidades de que sua pessoa de interesse possa participar. Uma sociedade de barco local? Um grupo de artes dramáticas? A procura de páginas e fóruns relacionados a áreas e interesses pode resultar em coisas promissoras – lembre-se de que nem sempre precisa procurar seu indivíduo diretamente, porque alguém que o conhece pode ter o mesmo resultado.

Conhece alguma coisa sobre a família mais ampla? Tente executar uma pesquisa no Ancestry.com. Procurando um velho amigo da escola? Experimente o Classmates.com, ou veja se a sua instituição educacional tem algum tipo de comunidade de ex-alunos que você pode checar (a maioria vai ter). “Existem sites de ancestrais, registros imobiliários, registros judiciais, registros de mídia, registros de prisão … a lista continua”, diz Giglio. “Todos os registros publicamente disponíveis online também podem ser uma ferramenta potencialmente útil para localizar pessoas.”

Checar registros genealógicos é outra opção (Imagem: Ancestry.com)

Nós ainda não mencionamos os diretórios online de pesquisa de pessoas, como o 411.com e o PeopleFinder.com. Os resultados aqui podem ser imprevisíveis, e geralmente é necessário um pagamento antes de chegar muito longe, mas você pode desenterrar algumas informações úteis. Certifique-se de verificar novamente que as informações que você está procurando não estão disponíveis nos registros públicos antes de entregar os detalhes do cartão de crédito (a Giglio diz que a maioria dos dados que esses sites oferecem está disponível gratuitamente em outro lugar).

Tanto Bazzell quanto Giglio admitem que encontrar pessoas online nem sempre é fácil, mas com bastante perseverança e sorte, você pode revelar mais informações do que pensa… e seu conselho final talvez não seja surpreendente – se você realmente quer encontrar alguém, ligue para os profissionais. E se alguém realmente não quer ser encontrado, respeite esse desejo.

Imagem do topo: Gizmodo