Há quase três anos, um desequilibrado cavalheiro irlandês chamado Andrew Shannon socou um quadro de Monet de 141 anos que estava exposto na Galeria Nacional da Irlanda. A pintura Bacia de Argenteuil com um único veleiro foi arruinada, ou pelo menos era o que parecia.

A pintura tinha três rasgos irregulares bem no meio, torcidos para fora de onde o punho de Shannon bateu na tela. Shannon, por sua vez, está agora cumprindo uma pena de cinco anos por seu crime, que o Metro UK explica como “uma tentativa de ‘voltar para o estado normal'”. Mas a restauração meticulosa tomou quase tanto tempo quanto o período dele na prisão.

Embora pareça impossível de ser consertado na imagem acima, os restauradores da Galeria Nacional da Irlanda postaram um relato detalhado do que foi feito, e o processo se parece muito com uma cirurgia angustiante.

Primeiro, eles conferiram se eles tinham todas as peças. Esta é uma pintura de 130 anos de idade, e quando foi perfurada, diz a galeria, “minúsculos fragmentos de pintura e terra se soltaram e se depositaram na superfície da pintura ou no chão nas proximidades.” Eles tiveram que escolher com cuidado e classificar todas essas migalhas e flocos de tinta para que eles pudessem ser restaurados.

monet 01

Mesmo assim, algumas das partes são muito pequenas para se descobrir de onde elas são. “7% dos fragmentos perdidos durante os danos eram tão pequenos que, mesmo com um poderoso microscópio, era impossível realocá-los de volta para a pintura”, diz a galeria. Eles ainda tiveram um papel útil na restauração, entretanto; o laboratório foi capaz de analisá-los quimicamente para descobrir a composição da tinta usada por Monet.

Sabendo mais sobre a procedência da tinta, era hora de começar. Para reparar a pintura, seria necessário virá-la de cabeça para baixo — ela foi posta em um “colchão almofadado” — e, para “estabilizar” o quadro, a equipe cobriu o lado pintado com “uma baixa concentração de cola animal à base de água”. A ideia era fortalecer a pintura ao mesmo tempo em que muita coisa estava acontecendo do outro lado da tela.

monet 02

Depois veio o verdadeiro trabalho:

Com o auxílio de um microscópio de alta potência e pequenas ferramentas de formato apropriado, as bordas do rasgo foram cuidadosamente alinhadas fio-a-fio. A reunião das fibras realinhadas e quebradas da tela envolveu a aplicação de um adesivo formulado especialmente para conseguir uma ligação forte, mas reversível entre os finais das linhas. Este material adesivo foi utilizado e desenvolvido pelos restauradores de pinturas na Alemanha nos últimos 40 anos.

Exemplos mostrados aqui incluem pequenos instrumentos cirúrgicos de aço para trabalhar em pequenas áreas, usando um microscópio; mini-espátulas quentes para aplicar calor controlado e localizado na pintura; placa de aquecimento e recipientes de vidro para manter o adesivo em uma temperatura constante. O adesivo de colágeno hidratado foi feito em estúdio.

Pode parecer uma cirurgia, e é de fato bastante semelhante. Os fios frágeis e envelhecidos são quase como vasos sanguíneos, que precisam ser cuidadosa e delicadamente amarrados ou religados. Qualquer erro e toda a pintura poderia ter sido perdida.

Mas ainda havia uma enorme cicatriz no meio da pintura. Então, como se estivessem montando um quebra-cabeça, a equipe colocou os fragmentos de pintura coletados de volta a onde eles pertenciam usando um microscópio — depois, usaram gesso e aquarela para retocar as linhas restantes.

monet 03

monet 04

Uma das coisas mais interessantes sobre o relato detalhado da restauração é que, ao longo do caminho, cada uma das técnicas foi projetada para ser reversível. Esta é uma ideia que percorre toda a restauração de arte e até mesmo a arqueologia: embora possamos pensar que estamos melhorando ou estudando um pedaço da história da forma menos prejudicial possível, é provável que os restauradores do futuro terão melhores tecnologias e técnicas para o trabalho que estamos fazendo agora.

Por isso, eles precisam garantir que deixaram um caminho bem claro de migalhas de pão. Pistas que, daqui a algumas décadas, possam ajudar os futuros restauradores a entender qual a melhor forma de consertar esta bela e maltratada pintura. [National GalleryHyperallergic]

Todas as imagens via Galeria Nacional da Irlanda.