Este é o Cutty Sark: construído no século XIX, ele é o último dos clippers (veleiro mercante) para transporte de chá, preservado como símbolo de uma era e considerado patrimônio nacional para os britânicos. Depois que ele foi gravemente danificado em 2007, o governo britânico gastou o equivalente a R$150 milhões para restaurá-lo. E este é o resultado.

A conservação do Cutty Sark está entre uma das mais amplas já feitas em um navio histórico. O veleiro sofreu graves danos em um incêndio, que durou horas até ser controlado pelos bombeiros. O centro do navio foi a parte mais afetada. No entanto, ao longo de seis anos, o governo restaurou completamente o navio à sua forma original, inclusive os 18km de cordame – todas as cordas e cabos que ligam os mastros do navio.

O veleiro está suspenso por estruturas rígidas a cerca de 3,5m de altura, e não está na água: ele fica em um dique seco. Isto o protege de danos que teria ao ficar submerso, e permite a visitantes explorar o casco do navio e seu formato único. Devido a esse formato, o Cutty Sark é um dos barcos à vela mais rápidos já feitos, com velocidade máxima de 17,5 nós (32km/h).

Ao redor do navio, o escritório de arquitetura Grimshaw construiu uma cobertura de vidro e treliça para proteger e iluminar o museu abaixo. O Cutty Sark está em exposição permanente em Greenwich, no sul de Londres, então se você vai para as Olimpíadas, lembre-se de passar por lá. [Wikipedia, Herald SunGrimshaw via DeZeen]

Fotos por Grimshaw e Dan Kitwood/Getty Images