Pode parecer um saco de Ziplock, mas o útero artificial poderá um dia salvar as vidas dos milhares de bebês nascidos prematuramente todos os anos. Por uma segunda vez, os pesquisadores anunciaram esta semana que incubaram com sucesso cordeiros nascidos antes de chegar ao final da gestação em um “útero” artificial. Nos resultados publicados nesta semana no The American Journal of Obstetrics & Gynecology, pesquisadores da Universidade da Austrália Ocidental, da Australia Women and Infants Research Foundation e Tohoku University Hospital no Japão, relataram que vários cordeiros continuaram a crescer durante um período de incubação de uma semana em um “ambiente uterino ex-vivo” apelidado de “EVE”. Eles pareciam saudáveis quando nasceram mais tarde.

O sistema de útero artificial, “EVE”, utilizado para incubar cordeiros. Imagem: Women and Infants Research Foundation

Não é a primeira vez que os pesquisadores utilizaram com sucesso esse sistema para incubar cordeiros prematuros. Em abril, cientistas do Children’s Hospital of Philadelphia usaram um sistema similar para incubar cordeiros prematuros durante um recorde de quatro semanas. Os cordeiros têm um período de gestação mais curto, de modo que os fetos de cordeiro prematuros de 105 a 115 dias desse estudo eram equivalentes a cerca de 23 semanas em um ser humano. A esperança é que tais sistemas possam ajudar os bebês nascidos nas primeiras 22 semanas. Todos os anos nos Estados Unidos, cerca de 30.000 nascimentos são criticamente prematuros, o que significa que os bebês nascem antes das 26 semanas do período completo de gestação de 37 semanas.

O sistema no novo estudo se baseia em uma bolsa de plástico cheia de líquido para manter os cordeiros vivos. Um banho de líquido amniótico artificial enche o saco para imitar condições dentro do útero. Um oxigenador externo faz o papel da placenta da mãe, convertendo o oxigênio que circula pelo sistema de sangue para o dióxido de carbono (CO2). Como o estudo do Children’s Hospital, os pesquisadores australianos e japoneses confiaram no coração do feto para alimentar o útero, garantindo que o desenvolvimento de corações e pulmões não se sobrecarregue e dê a esses órgãos a possibilidade de se desenvolverem normalmente.

Antes do estudo de abril, a duração máxima que um feto de cordeiro havia sobrevivido em um sistema artificial era de 60 horas, e esses animais sofreram danos cerebrais.

O sucesso – usando um sistema de alimentação fetal pela segunda vez – é um passo importante para ter algo que realmente poderia ser testado em bebês humanos. Tal sistema seria uma grande melhoria em relação ao tratamento atual, que é colocar bebês prematuros em uma incubadora e confiar em dispositivos como ventiladores para auxiliar os seus órgãos que ainda estão se desenvolvendo.

Contudo, essas novas tecnologias também levantarão inevitavelmente novas questões éticas. Recentemente, um pesquisador apontou que a disponibilidade da tecnologia artificial do útero poderia ameaçar o direito de uma mulher ao aborto, uma vez que nos EUA o direito depende, em parte, da viabilidade de um feto. A tecnologia também pode resultar em bebês prematuros que sobrevivem, mas têm deficiências ou condições ao longo da vida, levantando questões sobre quando seria apropriado usar essa tecnologia.

Ainda há muito trabalho a ser feito antes que os úteros artificiais estejam prontos para os seres humanos – se é que um dia vão ficar. Os pesquisadores disseram que levará pelo menos cinco anos antes que os ensaios sejam mesmo uma possibilidade, se não mais. Mas é um futuro que estamos mais próximos a cada dia.

Imagem de topo: Um cordeiro em um útero artificial de um time do Children’s Hospital of Philadelphia (The Children’s Hospital of Philadelphia)