As criptomoedas não poderão mais ser negociadas por fundos de investimento no Brasil. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão que regula o mercado de capitais no Brasil, publicou um ofício que proíbe gestores de fundos de investimento a comprar bitcoin, litecoin, ether e moedas similares.

• Bitcoin é tão volátil que conferência sobre criptomoeda não consegue mais aceitá-lo
• Bitcoin completa nove anos com legado de popularizar tecnologia complicada

Eles decidiram impedir as negociações porque as criptomoedas “não podem ser qualificadas como ativos financeiros” e, portanto, sua aquisição direta pelos fundos de investimento não será permitida.

Porém, o órgão não concluiu recomendações sobre investimentos indiretosem moedas virtuais por meio de fundos no exterior, mas alerta discussões “ainda se encontram em patamar bastante incipiente”. Além disso, o comunicado afirma que o projeto de lei 2.303/2015 “pode vir a impedir, restringir ou mesmo criminalizar a negociação de tais modalidades de investimento”.

Essa é a primeira medida do governo brasileiro contra as criptomoedas. A própria CVM já havia publicado, em novembro de 2017, uma nota alertando para os riscos do Initial Coin Offering (ICO); além disso, o presidente do Banco Central do Brasil, Ilan Goldfajn, falou que interpretava o bitcoin como como uma bolha e a classificou como “pirâmide” e passível de serem usadas em crimes.

Tempos difíceis para o bitcoin, mas que continua se valorizando após uma queda enorme em dezembro; naquela época um bitcoin chegou a valor cerca de US$ 20 mil e caiu para US$ 12 mil. Neste domingo (14), a moeda está cotada em US$ 13.200.

Neste link você pode conferir o ofício circular SIN n°1/2018 na integra.

Imagem do topo: Getty Images