O artista de visualização de dados Neil Halloran tem uma habilidade para transformar conjuntos de dados incompreensivelmente grandes e complexos em conteúdo coerente e envolvente. Em seu último projeto, o cineasta usa suas habilidades para transmitir o impensável: o número total de mortes causadas por uma guerra nuclear.

Há alguns anos, Halloran usou visualizações de dados animadas para ilustrar quantos soldados e civis foram mortos durante a Segunda Guerra Mundial, mas agora ele voltou sua atenção para algo potencialmente pior, a próxima guerra mundial.

Em seu novo vídeo de 15 minutos, The Shadow Peace, Halloran usa pirâmides populacionais invertidas para mostrar como os números da população global e as taxas de mortalidade são vistas a longos prazos, e como essas pirâmides às vezes tem “picos” durante eventos calamitosos, como a Segunda Guerra Mundial. Mas ao projetar os efeitos da guerra nuclear global, o tamanho desses picos é absurdo.

O vídeo começa com uma rápida lição de demografia, lembrando-nos de quantas pessoas vieram e foram na história humana e quantos de nós vivemos hoje. Halloran prossegue para prever as baixas da Segunda Guerra Mundial extrapolando os efeitos das bombas atômicas caídas em Hiroshima e Nagasaki em 1945, criando o potencial destrutivo e a escala das ogivas que podem ser usadas hoje e considerando as cidades que provavelmente serão alvo durante uma troca nuclear em massa (uma das partes mais relaxantes do vídeo). Seus números representam as três primeiras semanas depois do início de uma guerra nuclear global, após o que Halloran admite ser praticamente impossível saber o número de mortos, com o começo de um inverno nuclear. A parte final do vídeo envolve uma discussão sobre a proliferação nuclear, os esforços de desarmamento e a eficácia das iniciativas de manutenção da paz.

Halloran diz que não pode oferecer respostas fáceis sobre como podemos enfrentar melhor os desafios das armas nucleares, particularmente no caso da Coréia do Norte, mas ele acredita que seu último vídeo é uma boa maneira de ilustrar a loucura de usá-las.

“Posso promover que tenhamos essas discussões difíceis em cima dos fatos e números corretos – muitos dos quais não entendia direito até começar a trabalhar neste filme”, disse ele ao Gizmodo. “No meu trabalho, tento encontrar maneiras de tornar a informação estatística menos chata e intimidante. Eu acredito que muitas vezes é apropriado expressar números com emoção e drama cinematográfico, particularmente quando há um componente humanitário. Espero que novas formas de narrativa baseada em dados possam nos ajudar como uma democracia informada a diminuir a preocupante distância entre especialistas e a opinião pública “.

Esperamos que as tensões atuais entre os Estados Unidos e a Coréia do Norte comecem a se acalmar, mas até que isso aconteça, todos nós temos o direito de nos preocupar com o futuro da nossa civilização.

[The Shadow Peace]