15 horas de autonomia. Uma linda tela de 13 polegadas que parece flutuar. Fibra de carbono suave prensada entre alumínio brilhante. Preço inicial de US$ 799. Minha única pergunta sobre o novo Dell XPS 13 é: qual a pegadinha?

Eu me lembro do primeiro XPS 13. Era menor que qualquer outro ultrabook, mas a tela com resolução de 1366×768 desanimava. A segunda geração trouxe uma tela Full-HD bacana, mas a autonomia da bateria não era de fazer suspirar. A terceira geração melhorou a bateria graças a processadores Haswell, mas ainda faltava corrigir uma fonte de implicância da minha parte: a falta de um slot para cartões SD. E a essa altura, o preço de US$ 1.050 (lá fora) era meio salgado para uma máquina sem uma tela de altíssima resolução ou um mecanismo bacana que o convertesse em tablet.

Pois bem, o novo XPS 13 vai além de tudo isso se a lista de configurações que estou lendo estiver correta, e se meus olhos não estiverem sendo enganados. Está lá o slot para cartões SD, junto a uma tela de 3200 x 1800 pixels sensível a toque, teclado retroiluminado, tempo longe da tomada a perder de vista, e tudo num pacote de 1,17 kg, mais leve que a geração passada.

Com os novos processadores Broadwell da Intel (e provavelmente magia negra), a Dell prevê cerca de 15 horas longe de autonomia – o que é bastante para uma tela QHD+. No mundo real, ainda que cheguemos a nove horas numa única carga, continua sendo bastante coisa.

Dell XPS 13 de frente

Além disso, a Dell venderá uma bateria externa de 12.000 mAh por US$ 100, capaz de estender a autonomia em sete horas adicionais. (Ela também serve para recarregar seu smartphone.)

Por US$ 799, o novo XPS 13 vem com um tempero mais modesto: tela de 13 polegadas com resolução 1080p, processador Core i3, 4 GB de RAM, SSD de 128 GB, Wi-Fi com MIMO e suporte a 802.11ac mais rápido, Bluetooth 4.0, duas portas USB 3.0, uma Mini DisplayPort, o já mencionado slot para cartão SD e a saída de áudio no padrão 3,5 mm. Por US$ 899, você troca o processador por um Core i5; e com US$ 999, ele vem com um Core i7 e 8 GB de RAM.

Infelizmente, aquela tela linda QHD+ sensível a toques só aparece na configuração de US$ 1.299, e tenha certeza que trocar o SSD de 256 GB por um de 512 GB encarecerá ainda mais o conjunto. Ainda assim, US$ 799 no modelo básico é um preção. Resta saber se a mágica se repetirá no Brasil quando (ou se) ele for lançado aqui. Torcemos que sim.

Dell XPS 13 com a tampa quase fechada

Lá fora, o XPS 13 começou a ser vendido hoje. E, como é normal na indústria, ele é a ponta do iceberg: o modelo maior, o XPS 15, vem com uma tela 4K; a linha Inspiron, com modelos mais em conta, recebeu processadores Broadwell; e o laptop Inspiron 15 5000 e o tudo-em-um Inspiron 23 ganharam câmeras Intel RealSense 3D para serem controlados com gestos na frente da tela.

A subsidiária de jogos da Dell, a Alienware, lançou uma dupla de novos notebooks gamers, Alienware 15 e 17, ambos com opções de gráficos Nvidia GeForce GTX 980M. Mas se esse chip gráfico não for o bastante, tudo bem: os laptops têm suporte à Alienware Graphics Amplifier, que permite usar uma placa de vídeo PCI-Express para desktop que consuma até 375 W. Se você optar pela nova tela 4K (!) do Alienware 15, é uma boa recorrer a uma placa de vídeo dessas.

Por fim, o tablet Dell Venue 8 7000 que nos impressionou ano passado está finalmente à venda; ele custa US$ 400. Saiba mais aqui: [Dell]