Cerca de 87 milhões de pessoas tiveram seus dados de Facebook roubados pela empresa de consultoria política Cambridge Analytica. E a partir desta segunda-feira (9), o Facebook finalmente vai notificar as pessoas que tiveram suas informações tomadas. Aproximadamente 70 milhões das vítimas estão nos Estados Unidos, enquanto o resto está principalmente no Reino Unido, na Indonésia e nas Filipinas. No Brasil, pouco mais de 443 mil usuários (ou 0,5%) foram afetados.

• Facebook suspende acesso de empresa ligada com a Cambridge Analytica
• O Facebook atualizou seus termos de serviço e política de dados

Como você pode descobrir se suas informações no Facebook foram comprometidas? Uma notificação aparecerá no topo do seu feed do Facebook, junto com um novo botão para alterar suas configurações de privacidade. Mesmo que suas informações não tenham sido tomadas pela Cambridge Analytica, provavelmente é um bom momento para alterar suas configurações de qualquer maneira.

Se seus dados não foram roubados pela Cambridge Analytica, você receberá a mensagem da esquerda na imagem abaixo. Mas, se seus dados foram obtidos pela empresa de consultoria, a mensagem será a da tela à direita.

Imagem: Facebook

Com mais de 2,2 bilhões de usuários de Facebook no mundo todo, maioria das pessoas vai receber a notificação da esquerda.

O Facebook passou por um intenso escrutínio no mês passado, depois que foi revelado que a Cambridge Analytica obtivera as informações privadas de 50 milhões de usuários do Facebook. Esse número foi revisado para aproximadamente 87 milhões na semana passada, mas a Cambridge Analytica não foi a única empresa que vinha usando indevidamente os dados do Facebook.

Para tornar as coisas ainda mais confusas, o Facebook suspendeu pelo menos mais duas empresas de pesquisa no fim de semana. O Facebook baniu uma empresa de análise de dados chamada CubeYou por usar indevidamente dados de testes de personalidade. E também expulsou a companhia de análise canadense AggregateIQ. O governo canadense lançou posteriormente uma investigação sobre a AggregateIQ.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, vai testemunhar diante de pelo menos dois comitês do Congresso americano nesta semana. Zuck comparecerá diante dos Comitês Judiciário e de Comércio do Senado, na terça-feira (10), e depois se dirigirá ao Comitê de Energia e Comércio da Câmara na quarta-feira (11). Zuckerberg até agora se recusou a depor em Londres a pedido do governo britânico, preferindo enviar um de seus lacaios.

Ainda não está claro se haverá transmissões ao vivo de seu depoimento, mas sabemos que Zuckerberg está fazendo o dever de casa. O Facebook contratou uma equipe de especialistas para preparar Zuckerberg para seu depoimento, incluindo Reginald J. Brown, ex-assessor do presidente George W. Bush e ex-assessor jurídico do governador da Flórida Jeb Bush. O New York Times caracterizou a preparação como “um curso intensivo de humildade e charme”.

Mas será interessante ver como o Facebook se sai nas próximas semanas, especialmente porque suas ações despencaram 15% nas últimas três semanas. Muitos na empresa de rede social foram pegos de surpresa pela reação adversa, em grande parte porque o tipo de aquisição de dados no centro do escândalo da Cambridge Analytica é mais ou menos uma prática padrão para qualquer outra empresa de tecnologia, incluindo lugares como o Google e até mesmo a Apple. O Facebook simplesmente teve a infelicidade de ser pego depois de ser descuidado com quem tem controle sobre seus dados.

Se você ou um amigo já fez um “teste de personalidade” no Facebook, há uma boa chance de você ser um alvo de agentes políticos em algum lugar do mundo. Pode ter sido divertido descobrir qual princesa da Disney você é, mas todos esses traços de personalidade foram catalogados e monetizados.

As marcas também estão fugindo do Facebook, começando com a Tesla e a SpaceX, de Elon Musk. A Playboy logo seguiu o exemplo, e agora até o cofundador da Apple Steve Wozniak disse que está saindo.

“Os usuários fornecem todos os detalhes de suas vidas para o Facebook e […] o Facebook lucra muito com isso”, disse Woz ao USA Today, em um email. “Os lucros são todos baseados nas informações do usuário, mas os usuários não recuperam nenhum dos lucros.”

Com mais duas empresas sendo chutadas pelo Facebook no fim de semana, fica claro que esse é apenas o começo dos problemas do site. E enquanto o mundo acorda para a maneira como seus dados digitais estão sendo usados, o restante do setor de tecnologia pode estar prestes a entrar em um período turbulento.

[Facebook, New York Times e USA Today]