Liberdade de expressão na internet ainda é um troço complicado, que fica ainda mais indomável ao se considerar as centenas de diferentes culturas que temos no mundo. Em Taiwan, por exemplo, uma simples crítica sobre um restaurante acabou rendendo uma multa homérica e até mesmo 30 dias de reclusão para a sua autora.

A autora da crítica escreveu que o macarrão que ela havia comido estava muito salgado, que o lugar não era limpo, porque ela viu baratas, e que o dono do estabelecimento era um “bully” que permitia aos clientes estacionarem os carros de qualquer jeito, atrapalhando o trânsito.

Quanto ao dono, talvez ele não seja um “bully” por este motivo específico, mas o fato dele ter conseguido que a autora das críticas fosse multada no equivalente a mais de R$ 11.000, além de pegar 30 dias de reclusão e dois anos em observação, não ajuda o seu caso.

Segundo o Taipei Times, o advogado que cuidou do caso para o dono do restaurante disse que “blogueiros que publicam reviews de comida devem lembrar de serem verdadeiros em seus comentários, e suplementá-los com fotografias para se protegerem”.

Não está tão longe da verdade, mas também não precisa de cadeia, né, senhor advogado?

A dureza dessa situação em Taiwan nos faz lembrar de casos como o Resenha em 6 vs. Boteco São Bento, ou AG407 vs. Pristina, que repercutiram em mil comentários, hashtags no Twitter e comentários inflamados, mas no fim não acarretaram em muito além da exclusão dos comentários e/ou dos posts originais – o que também não deveria ser necessário em muitos casos, diga-se, mas é melhor do que pagar o preço de um carro popular em um processo e ainda passar um mês em cana. [BoingBoing]