Treze anos de ida e volta entre a Suécia e outros países da Europa. Ninguém notou até alguns meses atrás, quando a polícia pegou Salme logo antes de uma decolagem. Ele admite que foi tudo uma ideia maluca.

Eu tive a ideia de jerico de me candidatar a co-piloto em uma companhia aérea de verdade, então imprimi um brevê sueco. Não esatava laminado e parecia mesmo com algo feito em casa. Foi surpreendentemente fácil. Os documentos são diferentes em cada lugar da Europa, então uma companhia aérea italiana muitas vezes não sabe como são os documentos de pilotos suecos. Dá pra forjar tudo que você precisa. Eu treinava lá por duas ou três horas de uma vez — pelo menos umas 15 ou 20 vezes por um ano e meio.

Apesar de colocar em risco a vida de milhares de pessoas com a sua inexperiência, o cara só teve que pagar uma multa de uns 2000 dólares e foi banido da aviação por um ano.

Você acha que foi pouco? E a culpa, é de quem? Do próprio cara, por ter sido falso (apesar de ter voado por treze anos sem nenhum incidente, mostrando que ele obviamente leva jeito para a coisa), ou das empresas que deram emprego a ele sem rodar um histórico ou verificar as credenciais? Legal é pensar que qualquer um de nós que já tenha voado da Suécia para algum outro país pode ter sido transportado pelo Thomas. [Focus]