Honestamente, não há muita coisa nova que ainda possa ser dita sobre o Flash 10.1 no Android, por causa da agressividade com que a Adobe vem apoiando a ideia de Flash em telefones celulares. Mas isso não significa que não haja nada.

Por que eu quero?

Recapitulando: o Flash 10.1 representa a primeira vez que uma versão completa do Flash aparece em um telefone desde que o plugin foi rearquitetado de um modo que não cause o apocalipse da bateria. Vídeos, jogos em flash e, sim, propagandas vão funcionar normalmente em telefones com o 10.1. O resultado final é que a internet que você vê no seu telefone vai ficar um tanto mais parecida com a que você vê no seu computador.

Quando estará disponível? E para quem?

A "disponibilidade geral" do Flash 10.1 está marcada para 17 de junho. Mas a Adobe avisa que "nem todas as plataformas-alvo estarão prontas com o suporte ao Flash Player ao mesmo tempo". As plataformas alvo são: Windows, Mac, Android, WebOS, Symbian, Windows Phone e BlackBerry. Pelo que descobrimos, apenas as três primeiras terão o Flash 10.1 no dia 17 de junho. O beta para PC e Mac já saiu, e hoje saiu também o beta para Android, apesar de que para rodá-lo você precisa ter o Android 2.2 e os requerimentos a seguir:

Como ele é?

Nós temos um Nexus One rodando versões pré-lançamento do Froyo (Android 2.2) e do Flash 10.1 há alguns dias. O grande problema de dar uma opinião a respeito é que a versão do Flash que temos está longe da final. Não tem nem aceleração de hardware, o que significa que a performance não chega nem perto do potencial. Isso também significa um tempo de bateria ainda pior. (A Adobe promete três horas usando decodificação por software, mas isso é sem nada rodando no telefone, e eles pediram para que a gente "evitasse" instalar qualquer outro software, de modo que não conseguimos fazer um teste em circunstâncias de mundo real. Mas assumo que será bem menor, pelo modo como as pessoas usam o Android.)

A Adobe carregou o telefone com uma lista de sites recomendados, feitos em Flash, para a gente conferir no Nexus One, incluindo Warner Bros., Nickelodeon, Kongregate, Miniclip e alguns outros. Não surpreendentemente, todos funcionaram. Geralmente muito bem. Na pior das hipóteses, de maneira tolerável. Os trailers no site da Warner ficaram como se esperaria de vídeo via streaming em um telefone — definitivamente menos claros do que num desktop, mas melhores do que você pode estar esperando. Por outro lado, os comandos em alguns jogos do Kongregate ficaram um pouco lentos.

A ironia é que boa parte dos sites recomendados são "mobile optimized", versões especificamente projetadas para telefones — o que, ao menos implicitamente, parece estranho, visto que a proposta do Flash 10.1 para Android é trazer a internet "completa", do desktop, para o seu telefone.

Saindo da lista de sites recomendados, os resultados foram mistos. Por exemplo, tanto o site quanto os vídeos do CollegeHumor carregam normalmente, mas no site da ABC nenhum vídeo rodava. O Hulu estava bloqueado por escolha do próprio site de restringir o acesso por navegadores móveis, por conta que questões de direitos de distribuição dos programas. A Adobe diz que, até onde sabem, o Hulu é o único site que faz algo assim.

De modo geral, há mais para se comemorar do que reclamar. Até porque, né, ninguém está te obrigando a usar o Flash se você não quiser. Mas ainda há um bom caminho a percorrer se a Adobe quiser mesmo se dar bem na tarefa de encolher um gigante conhecido por deixar desktops e notebooks de joelhos até um tamanho em que funcione bem em um telefone. Até agora, fizeram um bom trabalho.