Incrível: a BusinessWeek informa que o tablet Amazon Kindle Fire custará só US$199! É um preço matador para um tablet. Mesmo que não tenha todas as funções de um iPad, ele será bastante competitivo.

Leia mais: As primeiras impressões do Kindle Fire, o tablet da Amazon

As funções básicas certas

Como apontavam os rumores, o tablet da Amazon tem tela de 7 polegadas e 16 milhões de cores. Assim como o iPad, ele usa um painel IPS, portanto ele tem o mesmo ângulo amplo de visão e ótima saturação de cores. A resolução é bem densa: 169 pixels por polegada – bem melhor que os 132 ppi do iPad. A tela é protegida por Gorilla Glass. O tablet pesa só 414g.

O Amazon Kindle Fire tem processador dual-core e, claro, tem Wi-Fi. Toda a sincronização é invisível, sem fio e no plano de fundo. O usuário não precisa fazer qualquer atualização de qualquer tipo. Consumir conteúdo é uma experiência fluida: se você está vendo um filme no trem usando a nuvem da Amazon, ele vai começar de onde você parou quando você chegar em casa e ligar a TV.

Ele não tem câmeras nem microfone – ou seja, nada de videoconferência – nem conectividade 3G (o que se resolve com tethering). E ele tem só 8GB de espaço, que será mais um cache: este é um dispositivo para a nuvem, pois seu conteúdo fica na web, e já sabemos que a Amazon manja de cloud computing. Hoje, eles provavelmente são os melhores no ramo.

Experiência de uso bem-elaborada

A Amazon prestou muita atenção na experiência do usuário. Quando você abre a caixa do seu Kindle Fire pela primeira vez, ele lhe dá as boas vindas com seu nome. Ele vem personalizado de fábrica para você, e já vem pronto para uso, sem qualquer configuração.

A interface é extremamente simples: apenas uma tela para navegar pelo seu conteúdo – livros, filmes, música e apps – e uma gaveta simples de ícones para seus favoritos. E os apps são vendidos através da Amazon Appstore. O Kindle Fire não tem Android Market: ao que parece, ele roda uma versão adaptada do Android.

Brad Stone, da BusinessWeek, diz que o desempenho é ótimo – o navegador, por exemplo, é “extremamente rápido”. Matt, Sam e Brent, agora no evento da Amazon, dizem também que ele é muito rápido. O navegador, chamado Amazon Silk, usa a engine Amazon EC2 para pré-processar e otimizar páginas da web na nuvem. A engine EC2 tira informações supérfluas, otimiza toda a mídia para a tela do Kindle Fire, e envia para o tablet. Isso ajuda a reduzir o consumo de memória. Ele também tem “renderização preditiva”, que detecta padrões de navegação e pré-renderiza as páginas mais utilizadas. O Amazon Silk é inteligente e, pela demonstração que Jeff Bezos fez no palco, ele é extremamente rápido também.

Preço matador

As limitações do hardware não parecem um problema, dado o preço. Mesmo os analistas mais otimistas estimavam um preço de US$250. Manter o preço abaixo da barreira psicológica dos US$200 terá um grande efeito na mente dos consumidores. Ao contrário de outros concorrentes que fabricam tablets, a Amazon também tem uma poderosa loja para vender conteúdo no tablet, que vai oferecer os serviços de nuvem da Apple, além de livros, música e filmes.

Na verdade, o Kindle Fire já tem uma base forte desses serviços. De acordo com a experiência de Stone, é uma experiência bem planejada, um “mundo meticulosamente construído de conteúdo, vendas e computação na nuvem”. Nós estamos ao vivo no lançamento e iremos atualizar com nossas impressões sobre o aparelho. Mas, pelo que vimos, este pequeno aparelho pode ser um tablet perfeito a um preço bem baixo.

O Kindle Fire está em pré-venda a partir de hoje por US$199, e chega em 15 de novembro. [Kindle Fire]