Um antigo executivo do Facebook está tentando dar uma assoprada depois de sua mordida nas redes sociais, pelo menos quando se trata de uma rede social em particular. O ex-vice-presidente de crescimento de usuários Chamath Palihapitiya recentemente contou a estudantes da escola de pós-graduação em negócios de Stanford: “Acho que criei ferramentas que estão destruindo o tecido social de como a sociedade funciona”. Mas na noite desta quinta-feira (15), dois dias depois de o Facebook responder a suas críticas, Palihapitiya voltou atrás em seus comentários.

“Meus comentários tinham o intuito de começar uma conversa importante, não de criticar uma empresa — particularmente, uma que eu amo”, ele escreveu no Facebook.

Palihapitiya disse acreditar que “o Facebook é uma força para o bem no mundo”. Prosseguiu expressando sua crença de que a rede social realmente está tentando tornar sua plataforma cada vez menos um inferno de desinformação e interferência eleitoral.

“O Facebook deu passos tremendos em aceitar sua influência imprevisível e, mais do que outros de seus pares, a equipe de lá deu passos de verdade para a correção de seu curso”, escreveu no post.

É uma decisão interessante, considerando que Palihapitiya não tem mais ações na empresa. Aliás, ele não trabalha lá há mais de seis anos, um ponto que o Facebook fez questão de destacar em sua resposta às críticas iniciais de Palihapitiya. O comunicado da empresa visava enfraquecer a crítica do ex-executivo ao apontar que “o Facebook era uma empresa muito diferente naquela época”.

E o Facebook certamente está tentando suavizar o discurso dos críticos que acreditam que a plataforma possa estar apodrecendo os cérebros de nossa juventude — um ponto de vista que Sean Parker, primeiro presidente do Facebook, basicamente expressou no mês passado. A empresa anunciou em um post de blog nesta sexta-feira (15) que está trabalhando com especialistas em pesquisa para entender melhor o impacto que as redes sociais têm em nós.

Quanto a Palihapitiya, o discurso da noite de quinta-feira não foi uma mudança de ideia completa de suas alegações iniciais, mas, aparentemente, um gesto apologético ao Facebook (ou talvez a amigos ainda trabalhando na empresa). Sim, as redes sociais têm a capacidade de nos destruir completamente, mas você não está vendo que o Facebook está tentando melhorar?

Foi pouco antes, no mês passado, que ele estava dizendo a estudantes de Stanford que “nós estamos em um péssimo estado agora, em minha opinião. (As redes sociais) Estão erodindo a base de como as pessoas se comportam sozinhas e entre si. E eu não tenho uma boa solução. Minha solução é: não use mais essas ferramentas. Eu não uso há anos”.

Você pode ler o post completo de Palihapitya aqui.

Imagem do topo: Getty