Após uma lesão medular, existem poucas frases mais deprimentes do que ouvir “ela nunca vai voltar a andar”. Logo essa frase poderá ser proferida com menos frequência – a roupa biônica ReWalk, um exoesqueleto assistivo projetado para auxiliar pessoas com lesão na medula espinhal a andar, começará a ser vendida em breve nos EUA.

“Dispositivos inovadores como a ReWalk ajudam muito indivíduos com lesões na medula espinhal a ganharem alguma mobilidade”, disse Christy Foreman, diretor da Food and Drug Admnistration, órgão que recentemente aprovou a comercialização do exoesqueleto em território norte-americano. “Junto com terapia física, treino e assistência, esses indivíduos podem ser capazes de usar esses dispositivos para andar novamente em seus lares ou comunidades.”

Se o ReWalk parece familiar, deve ser por ele lembrar bastante Claire Lomas, uma mulher britânica que completou uma maratona em 2012 usando um dos exoesqueletos ReWalk. Os usuários contam com uma cinta motorizada controlada com sensores de movimentos e computadores. O sistema foi inventado em 1997 por Amit Goffer, um israelense que perdeu movimentos após um acidente.

A roupa não funciona para todos os tipos de lesões de medulas; você precisa usar suas mãos e ombros, por exemplo. Mas, para uma parte significativa de pessoas com esse tipo de lesão, pode ser muito útil.

O problema do ReWalk é seu preço altíssimo – ele será vendido por US$ 69.500. Mas a empresa responsável por seu desenvolvimento busca acordos com companhias de seguros. “A ReWalk está trabalhando com seguradores e outras prestadoras de cobertura de cuidados de saúde para assegurar que indivíduos elegíveis para usar o ReWalk sejam capazes de comprar um sistema”, explicou um representante ao Gizmodo. [USFDA via CNET via Verge]