Um grande meteorito explodiu sobre a Rússia na sexta-feira. Seus efeitos foram sentidos no mundo inteiro, mas principalmente através da internet – em vídeos e fotos.

No entanto, os efeitos do meteorito na atmosfera também impressionam: a explosão foi forte o bastante para ser detectada por sensores de infrassom em outros continentes.

Boa parte deste “ruído” provavelmente não foi audível para os nossos insignificantes ouvidos humanos, que geralmente não detectam nada abaixo de 20 hertz. No entanto, o som é detectável, e há dezenas de locais ao redor do mundo com sensores dedicados a “ouvir” sons abaixo de 20 Hz.

Para que servem esses sensores? Principalmente para ficarem atentos a possíveis testes nucleares, que também geram infrassons (diferentes de um meteorito, é claro). E não deve ser surpresa que o meteorito fez barulho: ele era 20 vezes mais potente que as armas nucleares usadas na Segunda Guerra Mundial.

Onze sensores, em estações distantes – como na Groenlândia e na África – registraram o estrondo. Ele era diferente do barulho gerado pelas bombas nucleares mais poderosas já testadas, mas ser ouvido a continentes de distância é definitivamente uma conquista. [Live Science]