Abençoados são aqueles com a visão perfeita, mas o restante da humanidade, pobres quase-ceguinhos, sabem a tortura que é precisar de grau nos óculos escuros. Existem opções, é claro, como colocar um óculos de sol sobre os óculos de grau (não é lá muito bonito, mas quem nunca?) ou mandar fazer óculos escuros com grau ($$$), ou ainda, Deus me livre, usar lentes fotossensíveis – como a Transitions ou Transistor. Mas e se essas lentes não parecessem coisa de tiozão? Graças à química, isso está perto de se tornar realidade!

O grande problema das lentes fotossensíveis é elas funcionam bem até demais. A tinta das lentes muda de cor quase que automaticamente, deixando-as num tom de marrom meio feioso mesmo quando você está em ambientes internos. Então os cientistas resolveram que ter controle sobre essa mudança poderia ser interessante.

Um recente estudo da Associação Americana de Química descreve lentes com tons controláveis por um botão. Os químicos colocaram nas lentes polímeros eletrocrômicos, que são basicamente polímeros que mudam de cor ao receber uma pequena descarga elétrica. Eles já são usados em vidros de janelas e aparelhos que mudam de cor e podem ser combinados para criar qualquer tonalidade.

Os químicos responsáveis pelo estudo criaram quatro tons diferentes, correspondentes aos encontrados nos óculos de sol disponíveis no mercado (experimentos passados com os polímetros eletrocrômicos conseguiam apenas tons azulados, que não eram muito melhores que as cores das Transitions). Com isso, as lentes podem mudar de completamente transparentes para o tom desejado em poucos segundos, e quando o dono delas desejar.

Mas ainda existem alguns desafios, como como controlar a voltagem sem a necessidade de um aparelho grande e volumoso. De qualquer forma, é bom saber que tem gente pensando nas pessoas que precisam de grau em seus óculos escuros, mas não querem usar aquelas lentes amarronzadas feiosas.

[ACS Applied Materials and Interfaces]

Crédtio da imagem: Osterholm et al