James Howells é um funcionário de TI britânico e foi investidor de Bitcoin lá no início da moeda. Ele também tem todo o direito de ser o homem mais furioso da Terra.

Howells entrou no mundo das criptomoedas em fevereiro de 2009. Por meio de seu esforço nos computadores, ele acumulou cerca de 7.500 bitcoins antes que sua namorada, cansada do barulho do hardware de mineração de blocos de bitcoin, o fez parar. Nenhuma grande perda — a Silk Road estava a dois anos de chegar, e o Bitcoin não valia quase nada.

Maioria do equipamento que ele usava foi vendida como sucata depois de ele derrubar limonada nos objetos, e o disco rígido com a chave para sua carteira digital ficou em uma gaveta por três anos antes de ir para seu destino final: a lixeira.

Perto do final de 2013, Howells fez um balanço dos mercados de criptomoedas e começou a se arrepender de suas decisões precipitadas de limpeza. Naquela época, o valor de mercado do Bitcoin estava começando a subir, e suas 7.500 moedas perdidas valiam alguns milhões. Quatro anos depois, ele ainda não conseguiu, compreensivelmente, deixar isso para trás. Um Bitcoin hoje vale US$ 11.700, o que torna a pequena fortuna que Howells mandou para um aterro sanitário uma fortuna consideravelmente maior, de mais de US$ 80 milhões. Em tom de piada (achamos), ele perguntou ao Guardian em 2013: “Por que eu não estou lá fora com uma pá agora?”

Com alguns anos para refletir sobre essa empreitada, ele agora parece estar completamente determinado a cavar uma pilha de cinco anos de sujeira e lixo, arriscando-se em meio a “gases perigosos e possíveis incêndios de aterro” para recuperar um disco rígido de notebook que pode ou não funcionar. A reportagem do Independent não deixa claro se Howells sequer sabe em que aterro específico seus milhões estão localizados.

Estamos à espera de novas informações sobre Howells daqui a quatro anos, quando o Bitcoin valer dez vezes o que vale hoje ou não valer absolutamente nada.

[Telegraph, Independent]

Imagem do topo: AP