Uau. Sei que não deveria ficar surpreso, já que o Chrome é o navegador mais usado na América do Sul desde outubro, mas é incrível como ele ultrapassou o Firefox e agora o Internet Explorer no Brasil. Há algum tempo, o IE era líder inquestionável, usado por dois terços dos brasileiros na internet – agora, ele só tem um terço.

Segundo o Statcounter, que coleta dados em 3 milhões de sites, o Chrome tem 38,69% de participação no Brasil, enquanto o IE está 34,99%. O Firefox fica em terceiro lugar, com 24,07%, e depois vem o Safari, com 1,39%. O Opera é o último navegador destacado, com 0,51%. Os números são do mês de novembro.

Ser um bom navegador não explica, por si só, o sucesso do Chrome – o Firefox também é um ótimo navegador, bem melhor que o IE, mas nunca o ultrapassou. Isso muito provavelmente tem a ver com o Google, que coloca propagandas do Chrome na sua página inicial, no YouTube e até na TV aberta. O usuário decide experimentar o navegador, gosta e permanece com ele. E o IE se torna, cada vez mais, apenas uma forma de baixar outro navegador.

Mas por que o Google está fazendo propaganda do seu navegador, que é de graça e não tem propagandas? Isso me lembra deste trecho da Economist: “As intenções do Google são claras. Eles querem fazer agora o que o hoje defunto Netscape tentou fazer quando lançou seu primeiro navegador no meio dos anos 90 – tornar o Windows obsoleto, e tornar o navegador uma plataforma de computação dominante”. O texto, de 2009, se refere ao Chrome OS e talvez aposentar o Windows seja um exagero, mas o Google quer que a web seja o centro da atenção – é com propagandas na web que eles ganham dinheiro, afinal. E a ferramenta para isso é o Chrome. Eles estão conseguindo o que querem, e sabe de uma coisa? Acho isso muito bom. Parabéns, Chrome. [Statcounter via G1]