Eu adoro o Google Chrome, e uso o navegador desde seu lançamento em 2008. Não quer dizer que ele esteja livre de problemas bem irritantes: por exemplo, a interface fica pixelada em telas de altíssima resolução, e um bug faz o navegador consumir muita bateria. O Google vai corrigir ambos os problemas.

O Chrome 37 Beta ganhou suporte a DirectWrite, uma API no Windows que renderiza fontes de forma nítida mesmo em resoluções bem altas. Até então, o navegador usava GDI para renderizar texto, e era horrível:

google chrome jagged lines 2

Usuários pediam por suporte a DirectWrite desde 2009, mas só agora ele chega à versão beta do navegador. “Supondo que tudo corra bem”, diz o blog do Google, ele deve estar disponível na próxima versão estável do Chrome.

Bateria

Outro problema mais grave envolve o consumo de CPU – e de bateria – do Chrome. Em geral, seu processador fica em repouso quando nada requer sua atenção, mas o Windows permite que cada programa “acorde” o chip de tempos em tempos.

A Forbes descobriu que o Chrome faz seu processador “acordar” 1.000 vezes por segundo, enquanto Internet Explorer e Firefox usam o padrão recomendado: apenas 64 vezes por segundo. A Microsoft avisa que o comportamento do Chrome pode aumentar o consumo de energia “em até 25%”. (Mac e Linux não têm esse problema.)

Esse bug existe no Chrome desde pelo menos 2012, mas só agora o Google promete resolvê-lo em comunicado à PC World. Ele recebeu prioridade máxima na equipe que desenvolve o navegador, mas ainda não tem prazo para ser corrigido.

Enquanto isso, é melhor usar o Internet Explorer quando você depender da bateria – em testes, ele se saiu melhor em dispositivos móveis com Windows.

Claro, ainda há outros problemas chatos no Chrome, como o consumo exagerado de memória. Tem mais alguma coisa que irrita você no navegador? [Chromium Blog; PC World via Engadget]