A aquisição da Motorola por parte do Google já foi liberada pelos órgãos reguladores da Europa e dos EUA. Eles não entendem que a parceria pode causar malefícios ao mercado. Mesmo assim, o Google continua repetindo que a Motorola não terá nenhum tipo de benefício. Mais do que isso: Andy Rubin, chefe do Android, disse que o Google sequer deixa o pessoal da Motorola ter contato com a equipe que cuida do Android. Faz sentido?

Rubin contou que foi um dos “patronos” da aquisição, que apoiou a decisão, mas que após a confirmação, ele não sabe mais nada sobre a Motorola. “Não sei nem quem está cuidando dela.” A coisa é tão misteriosa assim? Sim. “Eu nem sequer sei algo sobre os produtos [da Motorola] (…) eles continuarão fabricando produtos da marca Motorola e a mesma equipe cuidará disso”, disse Rubin.

Ele explica que a natureza aberta do Android dificulta qualquer tipo de vantagem para alguma empresa. Mas, como bem lembra o Verge, a empresa escolhida para construir o Nexus sempre tem acesso antecipado à próxima versão do Android. E frisa, novamente, que “eles são separados de mim, e eu continuarei fazendo as minhas coisas”.

Por que tamanho distanciamento de uma empresa que agora faz parte do mesmo teto do Google? A empresa poderia estar preocupada com problemas de regulação, mas agora que as principais reguladoras já aprovaram a compra, será que esse realmente será o tratamento do Google em relação à Motorola? Em outras palavras, a compra realmente só teve a ver com as patentes que a Motorola tinha? Se sim, elas valem US$12,5 bilhões de dólares? [The Verge]