Apesar das críticas de quem trabalhava – e de quem trabalha – na empresa, a marcha social do Google não pode parar. Em carta anual aos investidores, o CEO Larry Page disse que o Google+ ultrapassou a marca de 100 milhões de usuários ativos. Mas em média, usuários passam mais tempo no MySpace que no Google+. Page parece não ver isso: afinal, o Google+ dele está de vento em popa! Eis o que ele diz na carta:

A atividade no Stream do Google+ está aumentando também. Estamos entusiasmados com a velocidade tremenda na qual algumas pessoas reuniram mais de um milhão de seguidores, assim como [estamos entusiasmados com] a profundidade das discussões acontecendo entre usuários felizes e apaixonados – tudo é prova de que estamos gerando engajamento genuíno.

Quando eu posto publicamente, eu recebo um monte de comentários de alta qualidade, o que me deixa contente e me estimula a continuar postando. Eu recomendo fortemente a todos vocês me seguir no Google+ – eu adoro ter esta nova forma de me comunicar e compartilhar com todos vocês!

Poxa, parabéns, Larry! Fico muito feliz com o sucesso do seu Google+. É uma boa mudança de algum tempo atrás, quando nem você usava a rede. Mas os dados mais recentes da comScore revelam que, em média, o usuário do Google+ passou apenas 3min na rede social em janeiro – isso é menos que o MySpace (8min), e uma queda em relação ao mês anterior. O usuário médio do Facebook, por sua vez, o usou por 6h45 em janeiro – isto é 135x o tempo médio no Google+.

E quantas pessoas realmente usam o Google+? Page diz “muito além de 100 milhões de usuários estão ativos”, só que o New York Times já questionou o número. Como lembra Page, produtos como a Busca, o YouTube e o Google Play têm integração com a rede social. Mas a empresa argumenta que, se você usa a função social nestes outros sites, você é contado como usuário ativo do Google+.

Por um lado, isso faz sentido: Vic Gundotra, vice-presidente do Google, lembra ao NYT que “esta é simplesmente a próxima versão do Google”, ou Google 2.0. A integração do Google+ significa que, cada vez mais, quando você usar o Google, estará usando a rede social do Google. Page dá a entender o mesmo na carta aos investidores. Por outro lado, não é exatamente correto dizer que, se você usou a rede uma vez, você é um usuário ativo – “não é completamente convincente”, diz Nate Elliott da Forrester Research ao NYT.

Se o engajamento e o número de usuários não impressionam, o número de visitas ao Google+ segue aumentando: de acordo com a Experian Hitwise, a rede social do Google teve 61 milhões de visitantes em março, aumento de 27% em relação ao mês anterior. E Page lembra: “ainda estamos no início, e temos um longo caminho a percorrer”. Ou seja, nada de negativo sobre o Google+ importa: a marcha social do Google não pode parar. [Google via BuzzFeed; The Guardian; Bits/New York Times]