O Google acabou de revelar o novo app Mapas 5.0 para Android, a ser lançado em breve. O que há de novo nele? Bem, ele renderiza edifícios em 3D, carrega mais rápido, funciona offline e gira o mapa automaticamente, de acordo com a bússola do celular.

Graças ao tamanho de arquivo menor e à escalabilidade dos novos gráficos no Mapas, de vetores desenhados de forma dinâmica, o app agora renderiza os mapas em tempo real, e baixa cerca de 100 vezes menos dados – o que resulta em tempos menores de carregamento e zoom superfluido. (Antes, os mapas eram baixados como "ladrilhos", e o zoom precisava que esses ladrilhos fossem carregados de novo.) Os novos modelos em 3D vão começar a aparecer à medida que você se aproxima do nível da rua, e você até pode inclinar o mapa usando um gesto com dois dedos, alterando a orientação vertical do mapa para ter uma ideia da altura dos prédios. Imagine chegando na Avenida Paulista, em São Paulo, e reconhecer instantaneamente onde você está vendo os edifícios em 3D ao seu redor. Cem cidades, como Nova York, terão suporte à função logo de início.

Mas talvez a melhor parte do app atualizado sejam as ferramentas de rotação. Você pode girar o mapa usando a tela multitoque, ou deixar o app girar o mapa sozinho de acordo com a bússola. Então se você estiver andando em uma rua movimentada, o mapa gira quando você virar para outra direção, provavelmente evitando que o usuário perca o senso de direção. E se você quiser uma visão diferente do mapa, você pode mover dois dedos em movimento circular para girar o mapa ao seu gosto.

Neste update, também temos um modo offline, que lembra áreas que você visita mais e guarda o mapa dessas áreas no cache para que, se a conexão cair, você não fique sem navegação. O Mapas baixa e faz cache dos dados das áreas que você mais visita à noite, via Wi-Fi. Uma demonstração rápida que vimos nos deixou impressionados: a maior parte de Nova York ficava na memória – até os modelos 3D dos edifícios e três camadas de zoom no mapa – depois que o celular foi colocado em modo offline. O Google diz que isto deve compensar 90% das vezes que o app não funciona por causa da conexão – e o Navigation, app do Google que funciona como um GPS, até recalcula a rota caso o sinal caia, se você não virar onde devia.

O novo Mapas será lançado em breve, e seu requerimento mínimo é o Android 1.6, mas funções como renderização dinâmica e rotação de mapas só vão funcionar em hardware mais avançado: basicamente, seu aparelho precisa ser pelo menos tão potente quanto o Motorola Milestone, mas talvez funcione em aparelhos menos parrudos também. O novo Mapas fornece uma experiência incrível, e esperamos que elas apareçam em outros aparelhos sem Android e com Google Maps o mais cedo possível.