Considerando a cabeça voltada para a robótica atualmente, o fato do Google ter comprado uma empresa de inteligência artificial por US$ 500 milhões poderia indicar um futuro recheado de Googlebots. Mas, pelo jeito, a inteligência artificial será mesmo aplicada no motor de busca da empresa.

Segundo o Re/code, as mentes por trás do DeepMind não responderão a Andy Rubin, responsável pela divisão de robótica. Em vez disso, eles falarão com o especialista em buscas do Google, Jeff Dean.

Faz sentido. Jeff Dean aposta no desenvolvimento de sistemas de redes neurais para identificar dados, e aparentemente a DeepMind no passado trabalhou em “um sistema de recomendações inteligentes para comércio online, e alguma coisa com imagens”. Então ela pode ser muito útil para isso.

O Re/code, que deu o furo da aquisição ontem, também diz que a DeepMind insistiu para o Google criar um quadro de ética para monitorar o que pode e o que não pode ser feito com tecnologia. Se os relatos do uso de capacidades de inteligência artificial para buscas for verdade, então esse quadro precisa levar a privacidade bem a sério. [Re/code]

Image por Eddie Codel sob licença Creative Commons