Se você é um fotógrafo profissional que acha que colocar uma marca d’água no meio do seu trabalho é o suficiente para protegê-lo e evitar o mau uso online, se prepare para a notícia que o Google tem para você. Um time de pesquisadores da empresa encontrou uma maneira de apagar automaticamente e perfeitamente as marcas d’águas utilizadas por organizações populares da banco de imagens.

• Sinais de Wi-Fi um dia podem ser utilizados para saber se você está sonhando
• Google Allo ganha versão web semelhante ao WhatsApp

A pesquisa foi publicada recentemente e apresentada na Conferência de Visão Computacional e Reconhecimento de Padrões de 2017. Antes disso, a maneira mais fácil de remover uma marca d’água de uma imagem era pagar pelo direito de uso dela, ou optar pela rota mais difícil de gastar uma hora no Photoshop apagando perfeitamente quaisquer marcas gráficas por cima da imagem, o que geralmente resultava em fotos ruins, além de ser algo ilegal.

Mesmo as ferramentas avanças de clonagem automática e de apagamento das últimas versões do Photoshop não conseguiam apagar completamente uma marca d’água sem que uma pessoa precisasse fazer muito do trabalho manualmente. Mas o novo software do Google consegue, desde que ele possa estudar uma grande quantidade de imagens de amostras que foram marcadas com o mesmo logo ou arte.

GIF: Google

É muito mais fácil remover uma marca d’água de uma foto se você puder extrair uma cópia dos gráficos que ficam por cima primeiro. Então o que o software do Google faz é escanear milhares de imagens de um determinado serviço de banco de fotos, comparando cada uma até detectar um padrão repetitivo que revela inevitavelmente qual a marca d’água sendo utilizada. Sabendo como a marca d’água se parece permite que o software a remova, deixando uma foto limpa, praticamente impossível de distinguir da cópia original.

O obstáculo desse método é que ele só funciona com fotos que vieram de um banco de imagens com um grande catálogo, com muitas amostras de marca d’água que podem ser analisadas. Mas, na maioria das vezes, não são esses serviços que as pessoas tentam enganar.

Imagem: Google

O Google não publicou essas descobertas como uma forma de ajudar a internet a roubar o trabalho de fotógrafos talentosos. A companhia, na verdade, levou essa pesquisa além e descobriu que mudanças nos padrões da marca d’água de imagem para imagem, mesmo com as menores deformações entre uma e outra, torna impossível o processo de remoção automática, sem que o software deixe traços óbvios para trás. Então, ao adotar esse método de modificação, as empresas de banco de imagens e até mesmo fotógrafos profissionais podem assegurar que seus trabalhos são serão utilizados facilmente sem suas permissões.

[Google Research Blog via Ubergizmo]