Isso iria acontecer uma hora ou outra: a gravadora EMI não é mais parceira do Grooveshark. Ou seja, nenhuma das quatro grandes gravadoras apoia o serviço. Pior: as quatro estão processando o Grooveshark. O fim (do serviço) está próximo, ou assim parece.

Em nota, o Grooveshark explica:

“O Grooveshark foi recentemente forçado a tomar a difícil decisão de interromper o acordo com a EMI devido às taxas de streaming atualmente insustentáveis da gravadora, e à fusão pendente da EMI com a Universal Music Group, o que consideramos monopolista e em violação de leis antitruste. Até hoje, o Grooveshark pagou mais de US$2,6 milhões à EMI, mas ainda não encontramos taxas de streaming sustentáveis.”

Não importa muito como a situação começou, já que ela obriga o Grooveshark a remover de suas bases de dados as gravações originais da EMI – o que eles já estão fazendo. Eu uso o serviço e algumas playlists minhas simplesmente ficaram sem músicas; o catálogo dos artistas que está sumindo pertence à EMI. Sem o apoio de grandes gravadoras, um serviço de streaming não pode durar muito. Foi bom conhecer você, Grooveshark. [CNET via The Verge]