Os guepardos (ou chitas), conhecidos por serem os animais mais rápidos do mundo, estão na iminência de serem extintos, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira (26) no Proceedings of the National Academy of Sciences. No mundo todo, há apenas 7.100 guepardos, e a população destes animais tem decrescido desde a década de 90. Por exemplo, em 1999 havia 1.200 chitas apenas no Zimbábue. Após 16 anos, só tem 170 espécies no país.

As girafas estão passando por um processo silencioso de extinção
Abelhas entram na lista de espécies em risco de extinção pela primeira vez nos EUA

O estudo, que foi conduzido pela Zoological Society of London, Panthera e a Wildlife Conservation Society, informa que a população de guepardos da Ásia sofreu o maior impacto. Estes pesquisadores encontraram “menos de 50 espécies vivendo em um local isolado do Irã”, e eles solicitam que estes animais sejam oficialmente considerados “ameaçados de extinção” em vez de vulneráveis na lista vermelha de espécies ameaçadas da União Internacional para Conservação da Natureza.

Em parte, houve decréscimo da população de guepardos tão rapidamente pelo fato de eles necessitarem de uma grande área como habitat: 77% dos habitats de guepardos ficam fora de áreas protegidas, o que significa que eles são extremamente vulneráveis a pressões humanas. Isso inclui também perda de habitat pelo desenvolvimento humano, comércio ilegal de partes dos guepardos, o uso deles como animal doméstico exótico e perda de presas por causa do excesso de caça dos humanos.

O diretor do programa de guepardos da Panthera, Dr. Kim Young-Overton, disse que “o ponto principal deste estudo é que apenas garantir a segurança de áreas protegidas não é o suficiente. Nós devemos pensar grande e conservar o mosaico de paisagens desprotegidas que estes gatos de grande porte habitam, se quisermos evitar o risco de nunca mais termos guepardos.”

Resumindo: se os guepardos forem extintos, pode colocar na conta dos humanos.

[Panthera]

Foto por Pixabay