Vamos ao que interessa: em 5 minutos na mão, percebemos que o Samsung Galaxy SII é o Android mais impressionante que passou pelos nossos dedos engordurados, e por vários pontos de vista é o melhor smartphone à venda no Brasil. Ponto. Efetivamente rápido, finíssimo, com uma tela absolutamente incrível (mas sem TV), Android 2.3 e câmera de 8MP, o SII (ou S2, com mais amor), começa a ser vendido hoje às 20h em todas as operadoras, por R$ 2 mil, desbloqueado, com os descontos comuns de fidelização. Vídeos, fotos, impressões e segredinhos em Mais:

Ainda vamos testar por mais tempo e fazer um review apropriado, mas no hands-on duas coisas chamaram mais a atenção: a tela e o toque. O Super AMOLED Plus é um nome pomposo demais, mas que faz sentido com um contraste animal e, mais importante, um tempo de resposta de 0,01 ms, causando pela primeira vez fora do iPhone aquela sensação de que a tela “prevê” o toque. O processador de 1,2 GHz, saindo do barco do Tegra 2 da concorrência, pareada com 1 GB de RAM, deu a impressão nítida de que ele é mais rápido (o Android 2.3 pré-instalado pode ajudar):

http://www.youtube.com/watch?v=JaK97a1W8DU

Ele é o smartphone mais fino do mercado, com 8,49mm e apenas 116 gramas. Ele é ridiculamente leve para o tanto de tela incluso e parece oco (apesar de carregar uma bateria de 1650 mAh, melhor que a anterior mas ainda menos potente que a do Atrix). Ele tem um aspecto menos “barato” do Galaxy S, graças a essa textura na parte de trás. De todo modo, há plástico demais em um aparelho desse preço, e nós (e os engenheiros da Apple que gostam de um processo) gostaríamos de ver alguma ideia diferente. O fato de os dois botões capacitivos (o “home” é físico) ficarem invisíveis a maior parte do tempo é um toque interessante, por sinal.

Duas coisas interessantes que descobrimos hoje: o SII será o primeiro “4G” do Brasil. Além de 3G, o novo Android navega pelas redes HSPA+, que permite velocidades de até 21 mbps. Ainda há uma certa controvérsia sobre o que é exatamente 4G, mas o fato é que o smartphone está apto a ver velocidades maiores, e os executivos da Samsung garantem que, ao menos nas grandes cidades, elas já estarão disponíveis ainda este ano. Outra vantagem interessante é o quanto que o SII está preparado para trabalhar, efetivamente. Ele tem um monte de certificados do Microsoft Exchange ActiveSync, encriptação de e-mails, Cisco AnyConnect para VPN seguro e controle inteligente para que o gerente de TI de uma empresa controle o que vai em cada SII. Espere ver um bocado desses em empresas.

O Galaxy SII será todo feito no Brasil e é exatamente igual à versão internacional — ou seja, não há TV. A Samsung preferiu esse caminho para diminuir o atraso do lançamento do produto no País, sem a localização. Por isso, somos um dos primeiros mercados a receber o aparelho. Algo que é justificado pelo peso do Brasil para os coreanos: em 2009 éramos o 7º mercado da Samsung, ano passado fomos o quarto e a ideia é que em 2011 o Brasil seja o 3º maior. A guinada da empresa (que se pronuncia líder de mercado já, coisa que a Nokia disputa) foi bastante ajudada pelos Androids. Hoje soubemos que o bom custo-benefício Galaxy 5 é o robô mais vendido do país, e a Samsung controla quase 50% do mercado de smartphones com Android por aqui.

E é isso que temos: um smartphone incrivelmente capaz, com a última versão do Android e um preço bastante alto — que, conhecendo a precificação maluca da Samsung, deve cair tão logo o novo iPhone seja anunciado. De concorrência direta, além do iPhone 4, há o Atrix, recém-lançado e seus truques de notebook, o Arc, mais barato e com design mais interessante e câmera igualmente capaz (mas com menos poder, por exemplo) e o vindouro Android potente e 3D da LG. Achamos que o SII está muito bem posicionado no meio – e não deve ver nenhuma concorrência grande em Androids até o fim do ano. O que vocês dizem?