Desde que viu o holograma flutuante da Princesa Leia em Star Wars, o artista Joanie Lemercier trabalhou para projetar e dar vida a animações que parecem flutuar no meio do ar. Seus últimos experimentos são reminiscentes dos computadores interativos usados no filme Minority Report, mas também incluem alguns dos efeitos fantasma mais impressionantes que já vimos.

• Este vídeo me deu vontade de gastar toda minha grana num jetpack e algumas câmeras
• Vídeo em slow motion mostra o que acontece quando pilhas e baterias entram em contato com fogo

Em vez de contar com espelhos e vidro perfeitamente polido para criar hologramas, técnicas às quais Lemercier se refere como “truques baratos”, o artista desenvolveu uma tela feita de névoa invisível, bombeando água por meio de uma série de bocais customizados.

Seus “não-logramas” — chamados assim para diferenciá-los dos hologramas que, frequentemente, são apenas bidimensionais — conseguem preencher um ambiente inteiro com imagens tridimensionais criadas usando projetores de vídeo de alta potência. Para acrescentar interatividade, Lemercier usa sensores de profundidade e análise de imagem de um feed de vídeo ao vivo para rastrear os movimentos do usuário. Isso permite a alguém de pé em um de seus não-logramas mover objetos ao redor sem de fato conseguir tocá-los.

Esses sensores também permitem a Lemercier criar sua impressionante ilusão de fantasma, ainda mais assustadora por causa dos movimentos giratórios de gotas d’água no ar.  A próxima vez que a Disneylândia atualizar o brinquedo da Mansão Assombrada, deveriam entrar em contato com Lemercier.

[Vimeo via Joanie Lemercier]