Enquanto espécie, temos pouco em comum com as abelhas, as moscas e os besouros. Os insetos são tão estranhos para nós que é difícil saber exatamente como eles sentem e vivem o mundo. Eles sentem dor? Eles experimentam o prazer? Como é sexo para eles? Eles gostam de fazer sexo, de alguma maneira, fisicamente falando ou até mesmo de outra forma?

• O que aconteceria se explodíssemos a Lua
• Os louva-a-deus são mais violentos do que imaginávamos

Neste Giz Asks, pedimos para neurocientistas, biólogos e entomologistas nos ajudarem a entender o que é ser um inseto com tesão. Nós descobrimos que o mundo do sexo insectóide é misterioso, fascinante e por vezes extremamente perturbador.

David J. Anderson

Professor de Biologia, Diretor do Tianqiao e Chrissy Chen Institute for Neuroscience, Caltech

Não é possível saber se os insetos “sentem” dor, medo, etc. porque o sentimento requer experiência consciente e não sabemos se os insetos são conscientes.

Há algumas evidências de que o acasalamento pode servir de reforçador para as drosófilas. Verificou-se que as moscas do sexo masculino preferem um odor que sentem enquanto se acasalam com uma fêmea, em vez de um odor desconhecido. Se isso realmente significa que moscas “gostam” do sexo (ou seja, que o sexo fornece uma recompensa hedônica), ou apenas que eles formaram uma associação aprendida de forma pavloviana entre o odor e os feromônios femininos, é algo que atualmente estamos tentando investigar.

Monica Dus

Professora assistente, Departamento de Biologia Molecular, Celular e Desenvolvimental, Universidade de Michigan.

É difícil de responder já que não falamos a língua das moscas, aranhas ou mesmo de ratos ou macacos. Nós não sabemos o que eles estão sentindo; podemos medir seu comportamento de maneira bastante objetiva e quantitativa, mas esse é o comportamento deles, e não os seus sentimentos.

Mesmo que se baseie em expressões faciais (difícil de fazer em insetos!), tudo o que podemos dizer é que em seres humanos essa expressão se correlaciona com um bom sentimento e que, se outro animal tiver o mesmo, é provável que eles também estejam gostando / amando / odiando / esteja indiferente, mas, mesmo com o animal que somos mais “ligados”, nossos cães (os meus se chamam Cupcake, Sprinkles e Brioche), muitas vezes adivinhamos seus sentimentos de forma errada, como os estudos de Alexandra Horowitz mostram.

O que posso dizer com certeza, é que as drosófilas, o inseto que nosso laboratório usa para entender a genética da obesidade, parecem amar o açúcar, especialmente os machos. Na maioria das vezes, quanto mais doce, melhor. E, embora esta seja também uma especulação selvagem, nossos experimentos nos fazem pensar que, se eles tivessem mãos e biscoitos, não conseguiriam parar de comer.

W. Daniel Tracey PhD

Linda and Jack Gill Chair, Departamento de Biologia, Universidade de Indiana

É seguro assumir que os insetos não têm sentimentos ou emoções da mesma forma que os seres humanos têm sentimentos. O cérebro dos insetos é muito mais simples do que um cérebro humano e a história evolutiva de insetos que vivem hoje é bastante distinta da dos humanos. No entanto, o cérebro dos insetos opera com os mesmos princípios gerais que os nossos. Em um inseto, os neurônios do cérebro estão “conectados” para formar circuitos, como a placa-mãe de um computador. Os insetos possuem quase todas as mesmas moléculas neurotransmissoras, como dopamina, serotonina, acetilcolina, glutamato e ácido gama-aminobutírico. Muitas das moléculas utilizadas pelos neurônios de insetos para controlar sua atividade são as mesmas que são usadas por nossos neurônios. David Anderson da Caltech é um defensor do argumento de que os insetos têm emoções como estados ou o que ele chamou de “emoções primitivas”. Eu concordo com essa ideia.

Quando se trata de dor, os insetos têm neurônios sensoriais que detectam calor e estímulos mecânicos potencialmente prejudiciais. Esses neurônios são chamados de nociceptores. Esses neurônios sensíveis à dor provocam respostas comportamentais defensivas no inseto. Um exemplo bem conhecido ocorre nas larvas de drosófila. A ativação desses neurônios produz uma resposta de escape. Esses sensores de dor protegem as larvas dos encontros com predadores, como vespas femininas que perfuram as larvas com um órgão afiado que planta óvos. Se a vespa conseguir colocar o ovo dentro das larvas, a larva de vespa devorará a larva da mosca de dentro para fora e uma vespa será produzida em vez de uma mosca. Assim, os neurônios sensíveis à dor das larvas de mosca podem ter evoluído para protegê-los contra os ataques dessas vespas específicas.

Os insetos têm habilidades bem conhecidas de formar memórias positivas. As abelhas que se alimentam de flores recebem uma experiência positiva e gratificante do sabor doce dos açúcares nas flores que visitam. As abelhas podem aprender a associar o odor e a cor da flor com a recompensa do açúcar. Eles podem até se lembrar da hora do dia em que uma determinada flor produz seu néctar. Elas também podem comunicar essas informações a outros membros da colméia.

A meu conhecimento, não se sabe se a experiência sexual é ou não gratificante para os insetos. Há certamente muitos exemplos dramáticos da importância do sexo para os insetos. Os efemerópteros vivem a maior parte de sua vida em seu estágio larval em rios e córregos e quando emerge como uma mosca adulta, a mosca macho adulto vive por apenas alguns dias e nunca se alimenta. Seu único propósito é encontrar uma fêmea para se acasalar antes de morrer.

Embora não conheçamos tanto sobre os prazeres do sexo nos insetos, sabemos algo sobre os aspectos negativos da rejeição. As drosófilas masculinas que são rejeitadas por potenciais companheiras parecem formar uma lembrança “negativa” dessa rejeição. Essas moscas realizam um complexo ritual de namoro para atrair parceiras femininas. Os machos perseguem a fêmea, lambem os órgãos genitais da fêmea (provavelmente para se certificar de que ela é da espécie certa e para testar se ela é virgem), e eles tocam uma canção de namoro vibrando suas asas. Se a fêmea não é receptiva aos avanços do macho, ele lembrará essa rejeição e ele ficará impedido de tentativas adicionais de namoro por várias horas. Esta é provavelmente uma estratégia evolutivamente vantajosa, pois impede o macho de desperdiçar seu tempo cortejando a mesma fêmea que não o aceita para começar a focar em encontrar outra. Há mesmo um estudo que descobriu que as drosófilas masculinas tendem a beber mais álcool quando são repetidamente rejeitadas por fêmeas.

Derek A. Woller

Entomologista no Song Laboratory of Insect Systematics and Evolution na Texas A&M University

Resposta curta? Provavelmente não. Tudo depende de como você define a sensação de prazer e sua conexão com as emoções, que normalmente são relegadas aos vertebrados, particularmente nós, é claro.

Esta questão relaciona-se bem com uma questão mais comum de que os entomologistas são frequentemente questionados, sobre se os insetos sentem dor ou não. Estou do lado de “mais observações são necessárias” porque, simplesmente, os insetos são extraordinariamente estranhos em inúmeras maneiras em comparação com a experiência dos vertebrados.

Eu tive a oportunidade (o prazer é provavelmente uma palavra muito forte) de observar uma infinidade de interações sexuais de gafanhoto (também conhecidas como cópulas), e ainda não consegui observar reações de qualquer uma das partes envolvidas que eu definitivamente classificaria como “prazer”, ao menos na medida em que os humanos experimentam a maravilhosa cópula.

Para colocar de outra forma, é assim que eu observava as interações de macho-fêmea depois de ver muitas cópulas em muitas espécies que eu estudo que ficam no sudeste dos EUA: Macho: “Ah! Te encontrei! Agora eu vou montar você como um touro mecânico até você se acalmar e eu enfiar isso em você. Ei, não me chuta, não me chuta – você quer isso, eu te juro!” Fêmea: “Afe, da onde você veio?! Não era você que eu queria, a não ser que você consiga sobreviver a ISSO [começa a se debater, pulando pra todo lado, e chutando ferozmente seu atacante]! Ok, ok, vai logo. Eu tenho plantas para comer e outros caras pra conhecer”. Então, veja, a interação pode ser bem antagonística, que, obviamente, não quer dizer que não seja prazerosa, mas certamente não parece, novamente, da nossa perspectiva humana.

Eu encontrei micro estruturas no aedeagus (termo extravagante para o complexo análogo de pênis) em algumas das espécies de gafanhoto que estudo. Uma hipótese é que elas são usadas para estimular uma fêmea a ser mais receptiva ao acasalamento completo, uma vez que o macho se insere vigorosamente na abertura vaginal.

Naturalmente, é necessário obter mais evidências para determinar a função real dessas estruturas, mas, se a sua função for estímulo vaginal, pode-se argumentar que a reação feminina a esse estímulo é semelhante ao nosso conceito de prazer, uma vez que ela decide permitir que um homem se atraque a ela. Após essa aceitação, ela geralmente se acalma consideravelmente, permitindo um processo bastante longo em que o macho transfere um longo pacote de esperma (espermatóforo) para a fêmea.

Resposta: um chato “talvez”, mas destaca a necessidade de estudos com mais nuance e criatividade para coletar mais evidências sobre como os insetos (e invertebrados, em geral) percebem o mundo. Eles são definitivamente estranhos, o que os torna ainda mais fascinantes e divertidos para trabalhar, na minha opinião. Seja um entomologista: veja o mundo e estude coisas loucas e bizarras! Temos espaço, inscreva-se hoje!

Edgar T. Walters, Ph.D.

Professor de Biologia Integrativa e Farmacologia, McGovern Medical School na UTHealth

Insetos sentem? Algumas respostas rápidas:

1) Talvez, mas filósofos argumentaram que as respostas conclusivas são impossíveis se alguém incluir a consciência na definição de “sentir”.

2) Não como os humanos (seus cérebros e comportamentos não poderiam ser mais diferentes), apesar de certamente mostrarem alguns traços comportamentais que as pessoas associam a sinais de sentimentos (estímulo sexual – geralmente feromônios – ou um estímulo violento defensivo em alguns insetos depois de ferimentos).

3) Talvez não, porque fortes pressões de seleção para a evolução do sentimento consciente em insetos não são evidentes, pelo menos não para este cientista. Os insetos que apresentavam mutações que promovessem o sentimento consciente provavelmente teriam mais sucesso reprodutivo do que outros insetos? Caso contrário, qualquer sensação consciente nos insetos de hoje seria um acidente biológico em vez de um produto da seleção natural. Eu duvido que isso tenha sido selecionado durante a evolução dos insetos.

Nathaniel J. Himmel

Pesquisador de graduação, Instituto de Neurociência, Universidade do Estado da Geórgia

No mínimo, podemos comparar o que os insetos fazem com o que os vertebrados, os mamíferos ou talvez os humanos fazem quando eles – ou nós – supostamente sofrem dor.

Insetos, na verdade a maioria, se não todos os animais, (e talvez outras formas de vida!) sentem e respondem a estímulos nocivos e potencialmente nocivos. Chamamos essa capacidade de nocicepção.

Por uma variedade de razões, a Drosophila melanogaster é talvez a espécie de inseto mais estudada. Sabemos que as larvas de mosca se contraem em resposta a um frio nocivo. Eles também rolam em resposta a altas temperaturas nocivas e estimulação mecânica nociva (quando cutucadas). Os adultos também fazem movimentos para evitar temperaturas nocivas.

Esses comportamentos quase certamente servem para um propósito, no caso de rolar, acreditamos que seja um comportamento que evoluiu como uma resposta protetora às vespas parasitóides. Estas vespas colocam seus ovos em larvas de moscas; à medida que as larvas de vespa crescem, eles comem a mosca de dentro para fora. Ao rolar em direção à fonte de um estímulo mecânico nocivo, as larvas de mosca têm a chance de se enroscar, ou talvez romper, o órgão afiado que as vespas usam para depositar os ovos, evitando assim serem comidas.

Esses tipos de respostas protetoras também não são apenas específicas para drosófilas. Por exemplo, sabemos que choques elétricos, altas temperaturas nocivas e estímulos mecânicos nocivos provocam uma “resposta de extensão de picada” agressiva em abelhas e que estímulos mecânicos nocivos induzem uma espécie de reação de “armar e atacar” nas larvas de mariposa da espécie Manduca sexta. O que eu acho mais interessante não são esses comportamentos, que podem ser únicos a espécies. Mas sim os circuitos neurais e os mecanismos moleculares subjacentes a esses sistemas nociceptivos, e sua semelhança com os nossos.

Os neurônios sensoriais que mediam a nocicepção de larvas de moscas têm alguma semelhança com os nossos (mais especificamente, os nociceptores de vertebrados de fibra-C), eles desempenham papéis sensoriais semelhantes, eles são parecidos (projeções dendríticas nuas para a epiderme) e não são mielinizados. Mais interessante, algumas das máquinas moleculares no trabalho desses neurônios parecem ser conservadas evolutivamente entre as drosófilas e os vertebrados (incluindo os seres humanos). Os canais iônicos receptores de potencial transitório (PRT) são fatores importantes na nocicepção de vertebrados, e sabemos de vários que são conservados e desempenham papéis semelhantes em moscas. Existe uma crescente evidência que torna isso também verdade para os canais familiares anoctamina. Como antes, isso não parece estar totalmente restrito às drosófilas; pelo menos no caso das abelhas, sabemos que eles expressam um canal PRT específico para o pedido que foi implicado na nocicepção.

Isso não quer dizer que somos todos iguais, no entanto. À primeira vista, não parece que uma lesão faça com que muitos insetos parem de continuar se movendo, se alimentando ou se acasalando normalmente. Pelo menos, não tenho certeza de que haja muita prova disso. Por exemplo, eu não acho que está claro se eles poderiam compensar uma perna ferida, a fim de aliviar qualquer tipo de dor que possa sentir (embora, se quisermos tornar a questão mais complicada, podemos considerar que alguns crustáceos, principalmente os camarões caridea, exibem aumento de sua própria limpeza após um ferimento).

Mas, considerando que o que dissemos acima é verdadeiro, vamos assumir que ferimentos, em insetos, não afetam ou causam o mesmo tipo de resposta cognitiva e comportamental que podemos observar nos humanos. Isso pode ser algum tpo de prova que eles não sentem ou respondem à dor da mesma forma que nós. Mas… E daí? Eu gosto do que Daniel Dennett tem a dizer sobre consciência animal: “Consciência não é um fenômeno branco ou preto, tudo ou nada, como geralmente assumimos”.

Imagem do topo: Jim Cooke/Gizmodo