A AMD tem oferecido concorrência pesada à Intel neste ano graças a seus novos chips Ryzen, mas a Intel pode ser a última a rir agora que ela foi atrás do chefe de arquitetura de GPUs da AMD, Raja Koduri, para ser o novo vice-presidente sênior da empresa e chefe de seu recentemente formado Grupo de Computação de Núcleo e Visual. A maior fabricante de CPUs finalmente está investindo de forma apropriada nas GPUs.

Isso significa que, em breve, teremos uma corrida de três cavalos, porque, com Koduri no comando, a Intel finalmente está entrando no negócio das placas gráficas independentes de verdade. Por anos, a Intel teve que contar com parcerias com AMD e Nvidia para usar GPUs que pudessem lidar com jogos de última geração e processamento 3D. Isso porque, como qualquer um que já tenha usado a placa de vídeo integrada da Intel sabe, quando se trata de levar os jogos ou o trabalho gráfico a sério, a GPU da Intel simplesmente não dá conta.

Atualmente, a Nvidia é claramente a líder no mercado de placas de vídeo, graças à sua série 10 (como a topo de linha 1080Ti). De acordo com a Jon Peddie Research, essas placas de vídeo ajudaram a empresa a manter uma fatia de 75% do mercado de placas gráficas independentes. E com a Nvidia colocando grandes esforços para entrar na indústria automotiva, junto com outras vitórias, como o sucesso do chip Tegra X1 no Nintendo Switch, está claro que a Intel tem muito a percorrer.

A AMD também não tornou as coisas nada fáceis. No mês passado mesmo, ela anunciou sua própria solução de CPU e GPU (a AMD chama a plataforma combinada de APU) e relatou velocidades nos jogos muito maiores do que qualquer coisa que a Intel tem disponível atualmente.

A Intel precisa aumentar seu nível, ou então arrisca ficar de fora da briga. Entretanto, esta não é a primeira vez que a empresa se mete a fazer suas próprias GPUs. A companhia já tentou isso duas vezes anteriormente. Primeiro com sua i740, no fim dos anos 1990, e então com o projeto Larrabee em 2009. Entretanto, desta vez, de acordo com o comunicado de imprensa da Intel, ela está fazendo um grande esforço para “expandir agressivamente nossas capacidades gráficas e computacionais e construir a partir de nossa base de IP muito forte, ampla e diferenciada”.

Baseado nas informações no comunicado da Intel, parece que a empresa vai continuar seu trabalho nas placas integradas em áreas como a Internet das Coisas, ao mesmo tempo em que também desenvolve suas próprias placas gráficas independentes para uso em jogos, edição de imagens, serviços de dados e, naturalmente, aprendizado de máquina e inteligência artificial.

Koduri deve se juntar à Intel no começo de dezembro, mas ainda não existe prazo para quando a Intel planeja lançar sua primeira GPU independente. Ainda assim, em um mercado que tem sido dominado por apenas dois atores há um bom tempo, e, para ser sincero, até esse ano vinha sendo só a Nvidia mesmo. Um novo competidor pode ser exatamente do que esse mercado de GPUs precisa para estimular a inovação e derrubar os preços.

[Intel]

Imagem do topo: Intel