Após o desastre do Fukushima em 2011, o Japão adotou a energia solar como sua principal fonte alternativa de energia. E agora uma empresa japonesa está prometendo alimentar a Terra inteira com energia solar – a partir de um cinturão na Lua.

A Shimizu Corporation quer, basicamente, construir um cinturão de painéis solares ao redor do equador da Lua e transmitir a energia para a Terra via micro-ondas. E eles querem que o projeto, chamado LUNA RING (sim, assim mesmo), em ação a partir de 2035.

“Uma mudança de um uso econômico de recursos limitados para uso ilimitado de energia limpa é o grande sonho da humanidade”, escreveu a Shimizu em seu site. “O LUNA RING, nosso conceito de gerador de energia solar lunar, transforma o sonho em realidade através de ideias engenhosas e tecnologias espaciais avançadas.”

Esta “tecnologia espacial avançada”, obviamente, envolve robôs. A Shimizu quer empregar um pequeno exército de robôs construtores para instalar o anel de 400 metros de largura de paineis solares ao redor dos 11.000km do equador lunar. Não apenas a base de concreto do anel será construída com recursos locais, a Shimizu pretende construir uma parte dos painéis com materiais locais também. Isso certamente vai economizar dinheiro de frete.

E como a Lua não tem atmosfera, o LUNA RING vai aproveitar o bombardeamento sem fim de radiação solar para absorver, converter a corrente e enviá-la para estações receptoras localizadas ao longo do Círculo do Pacífico através de antenas micro-ondas de 20km de diâmetro. Parece bem simples.

Claro que isso tudo ainda está em fase conceitual. E considerando que o Japão e a China ainda não chegaram a um acordo sobre quem é dono das Ilhas Senkaku, podemos esperar que eles cheguem a um acordo em relação a quem pode desenvolver algo na Lua? Isso sem contar os Estados Unidos, primeiro país a colocar uma bandeira por lá. [Shimizu via Clean Technica]