O telescópio espacial Kepler, da NASA, simplesmente não consegue parar de descobrir exoplanetas. Quase dois anos depois após cientistas dizerem que ele não funcionaria mais, Kepler identificou 8 novos planetas. Mas isso não é tudo: eles estão todos na zona habitável das respectivas estrelas, e dois deles são bastante parecidos com a Terra.

>>> O Paradoxo de Fermi: onde é que estão as outras Terras?

A zona habitável é a área em torno de uma estrela que permite surgir a vida como a conhecemos. Isso significa, basicamente, que os planetas nessa zona recebem uma quantidade de radiação que permitiria a existência de água líquida na superfície.

Os astrônomos já encontraram planetas na zona habitável antes. Na verdade, alguns acreditam que uma em cada cinco estrelas tem um planeta do tamanho da Terra nessa área propícia para a vida.

Mas dois dos exoplanetas recém-descobertos são especiais não só porque estão na zona habitável: eles também são provavelmente rochosos, como a Terra, e têm aproximadamente o mesmo tamanho que nosso planeta. O Centro Harvard-Smithsonian para Astrofísica explica em comunicado à imprensa:

Os dois planetas do grupo mais parecidos com a Terra são Kepler-438b e Kepler-442b. Ambos orbitam estrelas anãs vermelhas que são menores e mais frias do que o nosso Sol. O Kepler-438b orbita a sua estrela a cada 35 dias, enquanto o Kepler-442b completa uma órbita a cada 112 dias.

Com um diâmetro apenas 12% maior que a Terra, Kepler-438b tem uma chance de 70% de ser rochoso, de acordo com os cálculos da equipe. O Kepler-442b é cerca de um terço maior que a Terra, mas ainda tem uma chance de 60% de ser rochoso.

Poderíamos viver lá? É difícil dizer. Os astrônomos podem obter uma série de informações a partir do telescópio Kepler, mas esses planetas estão muito longe para uma análise detalhada. O Kepler-438b está a 470 anos-luz da Terra, enquanto o Kepler-442b está a 1.100 anos-luz de distância.

Felizmente, já descobrimos outras possíveis “novas Terras”. O Catálogo dos Exoplanetas Habitáveis reúne 28 candidatos onde poderia existir vida, já atualizados com as novas descobertas do telescópio Kepler. Eles estão na imagem abaixo, organizados por distância (ly = anos-luz):

Planetas potencialmente habitaveis

Com telescópios melhores, nós poderemos descobrir ainda mais candidatos a exoplanetas onde talvez haja vida. Se nós realmente queremos encontrar a Terra 2, temos que continuar procurando. [Harvard e NASA]

Imagem por David A. Aguilar/Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics